MAR

MAR

28 dezembro, 2008

MARIA JOÃO PIRES NO SILÊNCIO DE UMA NOTA


Excelente documentário que a RTP2 exibiu, ontem, sobre a maior pianista portuguesa da actualidade.Parabéns.


Para mais informação: aqui

24 dezembro, 2008

A noite de Natal




«(...) Então Joana foi ter com os primos. Daí a uns minutos apareceram as pessoas grandes e foram todos para a mesa. Tinha começado a festa do Natal.Havia no ar um cheiro de canela e de pinheiro. Em cima da mesa tudo brilhava: as velas, as facas, os copos, as bolas de vidro, as pinhas doiradas. E as pessoas riam e diziam umas as outras: "Bom Natal". Os copos tilintavam com um barulho de alegria e de festa. E vendo tudo isto Joana pensava:-Com certeza que a Gertrudes se enganou. 0 Natal é uma festa para toda a gente. Amanhã o Manuel vai-me contar tudo. Com certeza que ele também tem presentes.E consolada com esta esperança Joana voltou a ficar quase tão alegre como antes.0 jantar do Natal era igual ao de todos os anos. Primeiro veio a canja, depois o bacalhau assado, depois os perus, depois os pudins de ovos, depois as rabanadas, depois os ananazes. No fim do jantar levantaram-se todos, abriu-se de par em par a porta e entraram na sala.As luzes eléctricas estavam apagadas. Só ardiam as velas do pinheiro.Joana tinha nove anos e já tinha visto nove vezes a árvore do Natal. Mas era sempre como se fosse a primeira vez. Da árvore nascia um brilhar maravilhoso que pousava sobre todas as coisas. Era como se o brilho de uma estrela se tivesse aproximado da Terra. Era o Natal. E por isso uma árvore se cobria de luzes e os seus ramos se carregavam de extraordinários frutos em memória da alegria que, numa noite muito antiga, se tinha espalhado sobre a Terra.E no presépio as figuras de barro, o Menino, a Virgem, São José, a vaca e o burro, pareciam continuar uma doce conversa que jamais tinha sido interrompida. Era uma conversa que se via e não se ouvia.Joana olhava, olhava, olhava. As vezes lembrava-se do seu amigo Manuel. Um dos primos puxou-a por um braço.- Joana, ali estão os teus presentes.Joana abriu um por um os embrulhos e as caixas: a boneca, a bola, os livros cheios de desenhos a cores, a caixa de tintas. À sua volta todos riam e conversavam. Todos mostravam uns aos outros os presentes que tinham tido, falando ao mesmo tempo.E Joana pensava:-Talvez o Manuel tenha tido um automóvel.E a festa do Natal continuava. As pessoas grandes sentaram-se nas cadeiras e nos sofás a conversar e as crianças sentaram-se no chão a brincar. Até que alguem disse:- São onze horas e meia. São quase horas da missa. E são horas de as crianças se irem deitar.Então as pessoas começaram a sair.0 pai e a mãe de Joana tambem saíram- Boa noite, minha querida. Bom Natal - disseram eles. E a porta fechou-se.Daí a um instante saíram as criadas. (...)»

in A Noite de Natal, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Natal de Fernando Pessoa

Chove. É dia de Natal
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

_______________________

Nasce um deus. Outros morrem. A Verdade
Nem veio nem se foi: o Erro mudou.
Temos agora uma outra Eternidade,
E era sempre melhor o que passou.

Cega, a Ciência a inútil gleba lavra.
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo deus é só uma palavra.
Não procures nem creias: tudo é oculto.

15 dezembro, 2008

Vozes Afonsinas


Centro Cultural de Belém

Canções europeias do Renascimento e vilancicos ibéricos (séculos XV-XVII),


16 Dez 2008 - 19:00
C/INTERVALO
PEQUENO AUDITÓRIO

VOZES AFONSINAS
MARIA REPAS GONÇALVES soprano
SUSANA CONDE TEIXEIRA mezzo soprano
GONÇALO PINTO GONÇALVES tenor
SÉRGIO PEIXOTO tenor
VICTOR GASPAR barítono
MADALENA CABRAL rabeque
PEDRO SOUSA SILVA flautas de bisel
NUNO TORKA MIRANDA alaúde e guitarra renascentista
MANUEL PEDRO FERREIRA direcção e apresentação

13 dezembro, 2008

«Terra» de Mariza entre os dez melhores álbuns do ano


O álbum "Terra", de Mariza, editado a 30 de Junho em Portugal, foi considerado um dos dez melhores do mundo na área da "world music" por três publicações britânicas.


Ler notícia completa em Visão on-line.

11 dezembro, 2008

Livro Antigo

William Turner


violetas secas entre páginas de um livro
onde em tempos anunciaram o amargor da noite
e a humidade tremenda das insónias

o mar
o mar ao longe

debruça-se então para o interior do livro
lê qualquer coisa sobre o coração dos líquenes
ou deambula de sílaba em sílaba onde
os dedos se mancham de tinta e no cérebro
ergue-se uma planta de cinza noite adiante

fechou o livro ao amanhecer
era como se tivesse envelhecido séculos
com as violetas
fecha a persiana e adormece

Al Berto, O Medo

08 dezembro, 2008

Anita na web ...


"Anita é um sucesso editorial com mais de 40 anos que tem deliciado gerações e gerações!" consta (e é verdade!!) no site da Editorial Verbo, a Editora que publica esta colecção.

A colecção da "Anita", escrita por Gilbert Delague e ilustrada por Marcel Marlier, iniciou-se em 1954 com o título Anita na Quinta, pela conhecida editora francesa Casterman.

Esta célebre personagem que ficciona o universo infantil de muitas crianças é de origem belga “Martine” e tem tradução em muitos países do mundo.
Mas se, hoje, falo desta colecção que, obviamente, li na minha infância e, bem mais tarde, de novo como mãe, deve-se ao facto de, ontem, na Pública, ter lido o artigo Anita 2.0 que refere o regresso, em força, da Anita ao mundo da web, mais concretamente no Twitter.


Será que estamos perante um caso de Anitamania ... se levar algumas crianças à descoberta e ao prazer da leitura, tudo bem...

07 dezembro, 2008

Morreu o escritor Alçada Baptista


O escritor António Alçada Baptista morreu hoje, aos 81 anos.

Ler notícia completa do Público:
aqui


António Alçada Baptista nasceu em 1927, na Covilhã. Licenciado em Direito, esteve ligado ao jornalismo e à edição. Em 1971, publica o seu primeiro livro

Títulos
Documentos Políticos (1970)
Reflexões Sobre Deus (1971)
Peregrinação Interior I – Reflexões Sobre Deus (1971)
O Tempo Das Palavras (1973)
Conversas Com Marcelo Caetano (1973)
Peregrinação Interior II – O Anjo Da Esperança (1982)
Os Nós E Os Laços (1985)
Catarina Ou O Sabor Da Maçã (1988)
Tia Suzana. Meu Amor (1989)
O Riso De Deus (1994)

Sarah Maclachlan

Closer - O melhor de Sarah Maclachlan num duplo CD.

U want me 2



Angel


Spend all your time waiting
for that second chance
for a break that would make it okay
there's always one reason
to feel not good enough
and it's hard at the end of the day
I need some distraction
oh beautiful release
memory seeps from my veins
let me be empty
and weightless and may be
I'll find some peace tonight

in the arms of an angel
fly away from here
from this dark cold hotel room
and the endlessness that you fear
you are pulled from the wreckage
of your silent reverie
you're in the arms of the angel
may you find some comfort there

so tired of the straight line
and everywhere you turn
there's vultures and thieves at your back
and the storm keeps on twisting
you keep on building the lie
that you make up for all that you lack
it don't make no difference
escaping one last time
it's easier to believe in this sweet madness oh
this glorious sadness that brings me to my knees

in the arms of an angelfly away from here
from this dark cold hotel room
and the endlessness that you fear
you are pulled from the wreckage
of your silent reverie
you're in the arms of the angel
may you find some comfort there
you're in the arms of the angel
may you find some comfort here