MAR

MAR

24 julho, 2012

Corto Maltese: Viagem à Aventura, em Evora


Fórum Eugénio de Almeida
 25 de julho - 2 de dezembro de 2012

51 obras de Hugo Pratt, desde aguarelas  a tinta da china e guache, que retratam uma das muitas viagens da personagem de banda desenhada Corto Maltese, é apresentada em Évora na Fundação Eugénio de Almeida. A mostra apresenta viagens de Corto Maltese de Veneza a África, de Samarcanda à Polinésia, do Caribe à ilha de Escondida.

Corto Maltese chega a Évora quando se assinalam os 45 anos da criação do personagem de Pratt.

22 julho, 2012

Caricaturas de escritores no metro de Lisboa

António com Fernando Pessoa


Algumas figuras do Portugal do século XX “desfilam”, desde a passada terça-feira, na nova estação de Metro do Aeroporto. A responsabilidade é do cartoonista António, a quem o Metropolitano de Lisboa encomendou a decoração artística da nova estação. São 48 painéis que representam 49 personagens, já que Gago Coutinho e Sacadura Cabral partilham o mesmo painel. 


David Mourão Ferreira


Mário Cesariny

Sophia de Mello Breyner

Eça de Queirós


Natália Correia

José Cardoso Pires

António Lobo Antunes

Alexandre O' Neil

Ferreira de Castro

Aquilino Ribeiro

Vitorino Nemésio

Vergílio Ferreira

Agostinho da Silva

António Sérgio


Fotos retiradas do site http://paramimtantofaz.blogspot.pt/



09 julho, 2012

Um poema de Al Berto

Snow Storm-Steam-Boat off a Harbour's Mouth. JMW Turner. 1842.



Euforia

cai neve no cérebro vivo do imaculado - dizem
que estes milagres só são possíveis com rosas e
enganos - precisamente no segundo em que a insónia
transmuda os metais diurnos em estrume do coração
dizem também
que um duende dança na erecção do enforcado - o fulgor
dos sémenes venenosos alastra no brilho dos olhos e
um sussurro de tinta preta aflora os lábios
fere a mão de gelo que se aproxima da boca
o vómito da luz ergue-se
das palavras ditas em surdina
a seguir vem o sono
e o miraculado entra no voo dos cisnes
o dia cansa-se
na brutalidade com que a voz se atira contra as paredes
abrindo fendas
em toda a extensão das veias e dos tendões
quando desperta com o crepúsculo
o miraculado olha-nos fixamente e sorri
dá-nos uma rosa em forma de estilete - fechamos os olhos
sabendo que este é o maior engano
da eternidade

Al Berto
 

A Dama Pé de Cabra de Paula Rego e Adriana Molder

Fotos retiradas do site cm-cascais

7 de julho a 28 de outubro
Diariamente das 10h às 19h00
Casa das Histórias Paula Rego, Cascais

Sob inspiração direta da narrativa histórica de Alexandre Herculano, A Dama Pé de Cabra, as duas artistas conceberam, em simultâneo, um conjunto de trabalhos autónomos, de grandes formatos, para serem expostos Casa das Histórias Paula Rego.

Paula Rego (n. 1935) desenvolve neste novo ciclo de trabalhos um fulgor imagético e narrativo que a lenda lhe inspira, em total liberdade de traço e composição.

Adriana Molder (n.1975) artista portuguesa, residente em Berlim, responsável pelo conceito subjacente a este projecto e pelo desafio lançado a Paula Rego, tem desenvolvido na sua obra uma linguagem plástica de matriz figurativa com assinalável sucesso internacional. Nos desenhos que agora apresenta, constrói imagens poderosas de síntese psicológica e narrativa dos vários personagens selecionados.