MAR

MAR

28 janeiro, 2019

Burgueses somos nós todos ou ainda menos de Mário de Carvalho



SINOPSE


Um marido recalcitrante ludibriado pela mulher defunta; um casal num jantar de amigos, elas amigas íntimas dele; um recém-viúvo percorrendo a lista das suas conquistas mais assíduas, dois homens de meia-idade rememorando no luxo das suas casas os tempos de jovens revolucionários; doutores, engenheiros, administradores em tensão, todos em certa vivenda às Avenidas Novas, banco de grandes investimentos; uma enfermaria de hospital; cortejo e exéquias; engates de esquina; os filhos dos outros; traições e uma vingança sórdida; retalhos de vida, de uma sociedade, de um Portugal desencantado, sob o olhar sempre irónico de Mário de Carvalho.


OPINIÃO



“Burgueses somos nós todos ou ainda menos”, título retirado de um poema de Mário Cesariny (abaixo publicado), é um livro de onze narrativas curtas. Nestes contos o autor, através de uma escrita subtil e irónica, apresenta-nos “histórias de burgueses desencantados”, isto é, sobre a sociedade que o rodeia. 

É sempre com prazer que abordo a prosa de Mário de Carvalho quer pela temática tratada de forma sublime quer pelo vocabulário variado e invulgar que me obriga a usar o dicionário para verificar o sentido das palavras usadas que tão bem se aplicam à descrição dos ambientes e das personagens narrados. 
Raio de Luz


Burgueses somos nós todos
ou ainda menos.
Burgueses somos nós todos
desde pequenos.

Burgueses somos nós todos
ó literatos.
Burgueses somos nós todos
ratos e gatos.

Burgueses somos nós todos
por nossas mãos.
Burgueses somos nós todos
que horror irmãos. 

Burgueses somos nós todos
ou ainda menos.
Burgueses somos nós todos
desde pequenos.

Mário Cesariny, «Nobilíssima Visão»



23 janeiro, 2019

Sono de Haruki Murakami


SINOPSE

«Há dezassete dias que não durmo.»
Assim tem início a história que Haruki Murakami imaginou e escreveu sobre uma mulher que, certo dia, deixou de conseguir dormir. Pela calada da noite, enquanto o marido e o filho dormem o sono dos justos, ela começa uma segunda vida. E, de um momento para o outro, as noites tornam-se de longe mais interessantes do que os dias... mas também, escusado será dizer, mais perigosas.


OPINIÃO

Trata-se de um pequeno livro com ilustrações lindíssimas em tonalidades azuis, à semelhança da capa, de leitura aparentemente simples e tranquila sem grande intensidade. 
A protagonista, mulher casada, que tem um filho pequeno, narra-nos o seu dia-a-dia banal, rotineiro que de um momento para o outro deixou de ter sono. O conto começa exactamente com essa referência “Há dezassete dias que não durmo”. 
É pois sobre os impactos que este estado de “prolongamento da existência” (dezassete dias sem dormir nunca) terá na sua vida quotidiana que a protagonista nos revela as suas reflexões sobre a banalidade da vida que tem e as suas percepções do mundo e dos familiares. O leitor, sem grande perturbação, vai assim pressentindo que algo de sombrio vai acontecer. 
É esta característica que muito aprecio na escrita do Murakami, isto é, sem dizer directamente, deixa que o leitor perceba e se sinta muito próximo da personagem porque acaba por sofrer com ela.

20 janeiro, 2019

A Trégua de Primo Levi


SINOPSE

Primo Levi inscreveu o seu nome entre os maiores escritores do século XX, a partir da experiência de prisioneiro e sobrevivente do campo de extermínio de Auschwitz. A sua prosa literária tem a força expressiva das narrativas em que a voz da testemunha se alia ao trabalho da memória e da recriação da vida nos limites máximos da dor e da destruição.

A Trégua, continuação de Se Isto é um Homem, é considerado por muitos críticos a sua obra-prima: diário da viagem rumo à liberdade, depois de dois anos de internamento no lager nazi, este livro, mais do que uma simples evocação biográfica, é um extraordinário romance picaresco.

A aventura movimentada e pungente por entre as ruínas da Europa libertada - desde Auschwitz, através da Rússia, da Roménia, da Hungria e da Áustria, até Turim -, desenrola-se ao longo de um itinerário tortuoso, pontilhado de encontros com pessoas pertencentes a civilizações desconhecidas e vítimas da mesma guerra: desde Cesare amigo de toda a gente, charlatão, trapaceiro, temerário e inocente, até aos bíblicos comboios do Exército Vermelho desarmado. 

A epopeia de uma humanidade reencontrada, que procura uma nova vontade de viver depois de ter atingido o limite extremo do horror e da miséria.



OPINIÃO

Neste segundo livro da trilogia de Auschwitz, Primo Levi narra o que ele e muitas outras pessoas viveram durante dez longos meses: de 27 de Janeiro de 1945 (libertação do campo pelos russos) até 19 de Outubro (chegada a casa em Turim). Foram meses de alegria (num primeiro momento), dor, sofrimento, fome, angústia e ansiedade. Num relato duro e cru e descritivo da realidade ficamos surpreendidos, ou não, pelo caos e pela miséria existentes nos países que os ex-prisioneiros atravessaram ao longo da viagem (Rússia, Eslováquia, Roménia, Hungria, Áustria, Alemanha e Itália). É incompreensível que numa Europa semi-destruída ainda prevalecesse o absurdo das formalidades e o fechar de olhos à situação destes “passageiros” que tão urgentemente necessitavam de regressar a casa, a uma vida normal. 
Se bem que de forma diferente em relação ao primeiro livro, Se Isto É Um Homem, porque nada iguala o sofrimento vivido num campo de concentração, o autor, neste livro, continua a testemunhar magistralmente o horror da guerra e o desrespeito da dignidade humana. 

“ Após o ano de Lager, de sofrimento e de paciência; após o gelo e a fome e o desprezo e a arrogante companhia do grego; após as doenças e a miséria de Katowice; após as transferências insensatas, por que nos sentíamos condenados a errar eternamente através dos espaços russos, como inúteis astros apagados; após o ócio e a nostalgia acerba de Stárie Dorogui, estávamos de novo em subida, portanto, em viagem para cima, a caminho de casa. “ (pág. 248) 

“Cheguei a Turim a 19 de Outubro… Reencontrei uma cama larga e limpa, que à noite (instante de terror) cedeu macia debaixo do meu peso. Mas só ao cabo de muitos meses se desvaneceu em mim o hábito de caminhar com o olhar fixo no chão, como que à procura de alguma coisa para comer ou para embolsar rapidamente e vender por pão; e não cessou de me visitar, a intervalos ora curtos ora espaçados, um sonho pleno de terror.” (pág. 285)


19 janeiro, 2019

Um poema de Eugénio de Andrade (19 jan. 1923)

A imagem pode conter: 1 pessoa

Arte: José Viana

As Palavras Interditas

Os navios existem, e existe o teu rosto
encostado ao rosto dos navios.
Sem nenhum destino flutuam nas cidades,
partem no vento, regressam nos rios.


Na areia branca, onde o tempo começa,
uma criança passa de costas para o mar.
Anoitece. Não há dúvida, anoitece.
É preciso partir, é preciso ficar.

Os hospitais cobrem-se de cinza.
Ondas de sombra quebram nas esquinas.
Amo-te... E entram pela janela
as primeiras luzes das colinas.

As palavras que te envio são interditas
até, meu amor, pelo halo das searas;
se alguma regressasse, nem já reconhecia
o teu nome nas suas curvas claras.

Dói-me esta água, este ar que se respira,
dói-me esta solidão de pedra escura,
estas mãos nocturnas onde aperto
os meus dias quebrados na cintura.

E a noite cresce apaixonadamente.
Nas suas margens nuas, desoladas,
cada homem tem apenas para dar
um horizonte de cidades bombardeadas.

Eugénio de Andrade, in “Poesia e Prosa”



11 janeiro, 2019

Um poema de Al Berto (dia de aniversário)


Los amantes Ingreed Martinez 


sabes
por vezes queria beijar-te
sei que consentirias
mas se nos tivéssemos dado um ao outro ter-nos-íamos separado
porque os beijos apagam o desejo quando consentidos
foi melhor sabermos quanto nos queríamos
sem ousarmos sequer tocar nossos corpos
hoje tenho pena
parto com essa ferida
tenho pena de não ter percorrido teu corpo
como percorro os mapas com os dedos teria viajado em ti
do pescoço às mão da boca ao sexo
tenho pena de nunca ter murmurado teu nome no escuro
acordado
perto de ti as noites teriam sido de ouro
e as mãos teriam
guardado o sabor de teu corpo
ah meu amigo
estou infinitivamente só




Al Berto in O Medo Três cartas da memória das Índias 




O Retorno de Dulce Maria Cardoso






SINOPSE

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para alunos do Ensino Secundário, como sugestão de leitura. Também recomendado para a Formação de Adultos, como sugestão de leitura.

1975, Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos nao têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a família vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas a abarrotar de retornados — um improvável purgatório sem salvação garantida que se degrada de dia para dia. A adolescência torna-se uma espera assustada pela idade adulta: aprender o desespero e a raiva, reaprender o amor, inventar a esperança. África sempre presente mas cada vez mais longe.


OPINIÃO

É o primeiro contacto que tenho com a escrita de Dulce Maria Cardoso e posso afirmar que me surpreendeu pela positiva. Num estilo muito próprio e tão expressivo que pode criar no leitor menos atento, a ideia de repetição. 
Também gostei de ter colocado a narração na voz de um adolescente, o que lhe deu total liberdade para dizer as coisas cruamente, pelo seu nome, sem receios. O livro apresenta uma temática complexa e pouco abordada na nossa literatura, o que o torna ainda mais interessante. 
O Retorno foca-se no regresso súbito dos colonos a Portugal, nas dificuldades vividas num país que os descriminou, tratando-os por “retornados”. Rui, o adolescente, descreve-nos os últimos dias passados em Angola de onde foram forçados a fugir e o período vivido no hotel onde foram instalados em Lisboa. Ele, a sua família e os milhares de “retornados” viveram dias de instabilidade política e social.



04 janeiro, 2019

O Conde d'Abranhos de Eça de Queiroz

            
                                     


SINOPSE

«Alípio Severo Abranhos nasceu no ano de 1826, em Penafiel, no dia de Natal.» Assim se iniciam as notas biográficas assinadas pelo seu fiel secretário, Z. Zagalo, que, pretendendo fazer um sentido elogio a este «português histórico», descreve o seu percurso de afirmação política alicerçado em bajulações calculadas, discursos ocos e um sem-fim de incompetências. Nesta história de um político do século XIX, Eça de Queiroz traça de forma caricatural o perfil dos políticos de todos os tempos e constrói uma notável obra de sátira e crítica social de grande atualidade. Redigido em 1879, O Conde d’Abranhos foi publicado apenas postumamente, em 1925, desde logo acompanhado pelo conto de intenção patriótica A Catástrofe


OPINIÃO 

Fabuloso, mordaz, sarcástico e imperdível. Eça de Queirós, o grande romancista português continua actualíssimo porque muito do que é narrado neste livro assenta perfeitamente nos nossos dias. Portugal continua na mesma: corrupção, oportunismo, lobbies, amizades dúbias e mentalidades pobres. Um país sem alma. 

“ O que não tínhamos era almas … Era isso que estava morto, apagado, adormecido, desnacionalizado, inerte… E quando num Estado as almas estão envilecidas e gastas – o que resta pouco vale…”.

Este livro é uma sátira à sociedade portuguesa do século XIX. Escrito em 1878, pela voz de Zagalo, jornalista e secretário particular de Alípio Abranhos, vamos conhecendo as características do protagonista e de todos os que com ele convivem. Pretendendo elogiar Alípio, acaba por revelar a sua verdadeira condição social, a vergonha dos pais pobres que o leva a abandonar a família e mais tarde a negar ajuda, a sua incompetência, a sua bajulação, o seu egoísmo e sobretudo o seu oportunismo. Afinal, o excelente Conde é uma personagem execrável a todos os níveis. 
A estratégia de Eça é inteligente, como sempre, porque através desta biografia que pretende”glorificar a memória deste varão eminente”, critica a sociedade portuguesa da época. Exagera e ironiza a caracterização das figuras ilustres que frequentam as soirées, desanda na educação, na imprensa, no clero, na cultura e na política exercida por homens oportunistas e pouco inteligentes. 

É um deleite ler Eça de Queirós.