MAR

MAR

26 fevereiro, 2019

A Gaivota de Sándor Márai


SINOPSE

Alto funcionário ministerial, culto, solitário e seguro de si próprio, o homem acaba de ditar uma ordem de enorme significado, uma decisão que, numa questão de horas afectará, inexoravelmente, milhões de pessoas. No entanto, a sua serenidade aparentemente imutável desmorona-se com o aparecimento inesperado de Aino Laine, uma formosa jovem finlandesa de nome poético, que tem uma notável semelhança com a única mulher que ele amou, morta há anos. Então, contrariando o que aconselham a prudência profissional e o decoro, este convida a mulher desconhecida para o acompanhar nessa mesma noite à ópera. 

Começa assim entre ambos um diálogo íntimo e profundo, um arriscado jogo de sedução, onde a paixão, a nostalgia e a força do destino provocam uma perturbante transformação no sólido equilíbrio burguês de um homem sensato e honrado. Publicado pela primeira vez em 1943 — um período da Segunda Guerra Mundial de extraordinária tensão e incerteza na Hungria, cujo regime tinha alinhado com a Alemanha nazi — A Gaivota é mais um exemplo da prosa incomparável, incisiva e intransigente de Sándor Márai, um dos maiores escritores do século XX.


OPINIÃO

Livro magistralmente escrito. De leitura complexa, apresenta uma escrita metafórica, densa e plena de ambiguidade, nada é dito claramente, e também porque a voz do narrador (escrita na 3.ª pessoa) se confunde com os pensamentos da personagem. Obra portentosa, envolvente, onde o poder das palavras é esmagador e a manipulação do segredo é levada até ao fim. 


Numa mescla de realidade e onírico, a trama da história situa-se em plena segunda guerra mundial e é através de monólogos e de diálogos íntimos e profundos, que o leitor vai tomando conhecimento, lentamente, da vida das duas personagens envolvidas: um alto funcionário ministerial, cujo nome desconhecemos e uma jovem finlandesa de nome Aino Laine/Única Onda. A chegada desta jovem vai alterar os planos do alto funcionário, desmoronar a sua serenidade e mudar o seu destino. 
De leitura obrigatória.




21 fevereiro, 2019

Pardinhas de António Mota



SINOPSE

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 7º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.

Velho e doente, o avô João quis fazer uma viagem à terra onde tinha nascido: Pardinhas. E é em Pardinhas, junto de uma casa em ruínas, que ele conta aos netos a sua infância e adolescência. Uma história e vivência que os netos ignoram...

OPINIÃO

Livro infanto-juvenil, de leitura agradável que relata uma história simples mas cheia de significados. João, avô de duas crianças, encontra-se doente e pede para visitar a terra onde nasceu, Pardinhas. A viagem que de início aparentava tornar-se “uma seca” para os dois netos acabou por ser uma revelação. 
Numa primeira parte, a narrativa aborda a vida familiar de uma família cuja rotina vai ser alterada com a chegada do avô doente. Deparamo-nos com o desencontro de gerações quer ao nível das vivências quer dos afectos. Em Pardinhas, junto à casa onde viveu, o avô relata as suas memórias de infância aos netos. Esta parte é excepcional, pois revela-nos a vida difícil mas unida de uma família, num meio rural e isolado, as privações de vária ordem, o analfabetismo, a luta pela sobrevivência, a emigração. 
É o testemunho, de um Portugal de outrora, que o avô lega aos seus netos. E estes, finalmente cativados pela história do avô, aceitam-no com carinho.



18 fevereiro, 2019

Um poema de Eugénia de Vasconcellos




A SUNDAY KIND OF LOVE


Se amanhã fôssemos domingo,
passeávamos de mão dada
na Gulbenkian,
beijávamos na boca,
no jardim, esse Sunday kind of love.
Mas tão pouco somos das 9 às 5,
com ou sem horário para almoço -
expediente? nem de hotel.
Inocente ficção e verso de Al Berto
somos nós:
uma existência de papel.



in, sete degraus sempre a descer, Eugénia de Vasconcellos


17 fevereiro, 2019

sete degraus sempre a descer de Eugénia de Vasconcellos

SINOPSE

Depois da publicação de O Quotidiano a Secar em Verso, livro que o poeta e crítico José Mário Silva saudou como «um meteorito que cruzou o céu da poesia portuguesa», este novo livro de Eugénia de Vasconcellos é uma delicada interrogação do ofício poético e da linguagem amorosa, da sua decepção e cinzas. No posfácio, o poeta e escritor brasileiro Marco Lucchesi chama a Sete Degraus sempre a Descer, «alta poesia», uma «poesia sísmica, de larga magnitude», aproximando-a da «noite dos sentidos», de Al Berto, e João da Cruz, de Teresa de Ávila e de Adélia Prado. 

Sete Degraus sempre a Descer oferece à poesia portuguesa vivências amorosas com que a nossa língua teme conviver ou que se envergonha de tocar: a humildade dos objectos e das coisas, uma faca, laranjas, lençóis e cama, a ardente relação com as pulsões e sentimentos, o beijo, o desejo, a carne e o espírito.


OPINIÃO

É o segundo livro de poesia que leio da Eugénia Vasconcellos. Está dividido em quatro partes e apresenta apenas 23 poemas. Começa por questionar a escrita poética “C’est quoi la poésie?” e termina questionando o amor “C’est quoi l’amour?” 

Trata-se de uma leitura surpreendente porque a autora revela uma escrita discursiva traduzindo uma experiência fundada no quotidiano, no real, é uma escrita simples e directa e simultaneamente intensa. 


C’est quoi la poésie?
A poesia não é coisa das páginas dos livros –
não se faz na tipografia.
Ainda que seja nas páginas dos livros que
Se fixa depois de a tipografia lhe dar um corpo de papel –
É sempre de amor que se faz um corpo,
É por amor que um corpo se dá.
A poesia é da vida. É de quem tem.
A dor é de quem tem. O amor é de quem?
A alegria?
De quem tem.
Ao fim , depois do tempo, depois de mim, é de quem lê.
C’est quoi la poésie?
(…)




Al Berto ilustrado por 26 artistas

Foi inaugurada em Roma uma exposição de gravuras de 26 artistas portugueses.

O desafio proposto por Federico Bertolazzi, professor de literatura portuguesa na Universidade de Roma Tor Vergata e tradutor para italiano, junto com Claudio Trognoni, do livro Horto de Incêndio para a editora Passigli em 2018, era de interpretar livremente poemas do último livro publicado em vida por Al Berto, Horto de Incêndio.


No texto de apresentação da exposição escreveu que esta “é uma homenagem livre e apaixonada a um poeta que marcou com força a cena literária e artística do seu país”. Um poeta que “conseguiu dar corpo a uma inquietação partilhada por muitos, e as suas palavras encarnaram uma espécie de grito colectivo que, partido das entranhas do ser, ousou erguer-se contra a morte”.

Em Novembro, esta exposição ficará patente no Museu do Chiado. 


Foto do facebook do MArt



Ler mais em 

16 fevereiro, 2019

O Mistério da Estrada de Sintra de Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão



SINOPSE

Em viagem de Sintra para Lisboa, o médico Dr.*** e o escritor F… são interceptados por um grupo de quatro mascarados, que os sequestram. Encaminhados, de olhos cobertos, para um prédio misterioso, é apenas quando as suas vendas são retiradas que os dois amigos descobrem os contornos macabros do rapto de que foram alvo - aos seus pés encontra-se o cadáver de um estrangeiro. Quem será este homem e qual a sua história? Publicado inicialmente nas páginas do Diário de Notícias, entre Julho e Setembro de 1870, sob forma de cartas anónimas, e nesse mesmo ano com edição em livro, O Mistério da Estrada de Sintra foi resultado da colaboração de dois grandes mestres, Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão. É considerada a primeira narrativa policial da literatura portuguesa.


OPINIÃO

Este livro escrito a duas mãos, apresentado de forma inédita, é considerado o primeiro policial português. Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão agitaram a sociedade lisboeta com a divulgação de “um crime” no Diário de Notícias, entre Julho e Setembro de 1870. Através de cartas anónimas publicadas no jornal, os leitores que acreditam na sua veracidade, vão descobrindo o desenrolar da história, do mistério. Só mais tarde os dois autores revelam que se trata de ficção. 

Apesar de ser o primeiro romance de Eça, as suas principais características já estão patentes, já se evidencia a tendência irónica e satírica à crónica de costumes e à escrita romântica muito difundida na época. A relação entre as personagens está impregnada de um romantismo desmedido (rapto, assassinato, encontros clandestinos, traição, amores, desamores, ciúmes, …) em que as mulheres (Condessa de W. e Cármen) vivem grandes paixões, excessivas, trágicas que as conduzem à morte ou à reclusão. 

Trata-se de um livro agradável repleto de ironia com um suspense bem delineado e com descrições fabulosas apesar de, por vezes, algumas serem um pouco exaustivas e repetitivas o que torna a narrativa lenta. 



11 fevereiro, 2019

Correntes d`Escritas celebram vinte anos





As Correntes d`Escritas, o festival literário com sede e coração na Póvoa de Varzim, celebram este ano vinte anos. O programa inclui mais de 140 participantes, oriundos de 20 países, alguns deles galardoados com importantes prémios literários. 

O Festival tem início a 16 de Fevereiro e vai prolongar-se até dia 27, ocupando vários lugares e espaços da Póvoa. Pelo meio, e como já é tradição, será entregue o prémio literário Correntes d’Escritas. 

Mesas redondas, apresentações de livros, exposições, animações e decorações de rua, tudo está a postos para que esta seja uma das grandes edições das Correntes. 

Consultem aqui o programa


10 fevereiro, 2019

O Luto de Elias Gro de João Tordo

SINOPSE


Numa pequena ilha perdida no Atlântico, um homem procura a solidão e o esquecimento, mas acaba por encontrar muito mais. 
A ilha alberga criaturas singulares: um padre sonhador, de nome Elias Gro; uma menina de onze anos perita em anatomia; Alma, uma senhora com um coração maior do que a ilha; Norbert, um velho louco que tem por hábito vaguear na noite; e o fantasma de um escritor, cuja casa foi engolida pelo mar. 
O narrador, lacerado pelo passado, luta com os seus demónios no local que escolheu para se isolar: um farol abandonado, à mercê dos caprichos da natureza - e dos outros habitantes da ilha. Com o vagar com que mudam as estações, o homem vai, passo a passo, emergindo do seu esconderijo, fazendo o seu luto, e descobrindo, numa travessia de alegria e dor, a medida certa do amor. 
O luto de Elias Gro é o romance mais atmosférico e intimista de João Tordo, um mergulho na alma humana, no que ela tem de mais obscuro e luminoso.


OPINIÃO

Este livro de João Tordo marca, na minha opinião, uma viragem na sua escrita. Deixamos de ter uma história que gira em volta de um mistério à procura de uma solução para termos uma narrativa triste e angustiada. Temos um homem cheio de mágoa que escolhe a fuga e o isolamento numa ilha pequena para esquecer os fantasmas do passado que o assombram violentamente (a separação da mulher amada e a morte da filha). Temos personagens fabulosas com histórias e segredos para desvendar. 

A escrita de João Tordo é bela, intensa e profunda e requer uma leitura pausada, introspectiva, silenciosa e triste. Há descrições sublimes de melancolia, de amor, de fé, de solidão, de silêncio, de dor, de perda. Vivemos o desespero da personagem, compreendemos a necessidade de estar só, de “ouvir” o silêncio, assistimos ao seu percurso que o leva à desistência da vida, à decadência humana e sentimo-nos tristes e desesperados, por vezes, esperançados. 

"Se tu morresses eu ficava triste.
Porquê?
Porque fazes parte da minha história.” 

O Luto de Elias Gro, primeiro volume de uma trilogia, “Trilogia dos lugares sem nome”, é sem dúvida, a mais bonita obra do João Tordo que já li e já li quase todos os seus livros. 

"As pessoas são feitas de porcelana, concluiu. Lascam com facilidade, instigam em nós a urgência de não as deixar cair. Partem-se em pedaços se as largarmos. Esses pedaços são inconsoláveis. É impossível tornarmos a juntá-los e, se o tentarmos, ficaremos para sempre a observar as rachas que inadvertidamente lhes causámos, cicatrizes que não passam. Por mais que as pessoas jurem que são feitas de outro material, acredite em mim quando lhe digo que são feitas de porcelana, da mais frágil e dispendiosa."