MAR

MAR

25 fevereiro, 2018

A Escada de Istambul de Tiago Salazar



Tiago Salazar iniciou-se no romance histórico com esta bela narração da família Camondo, num longo período compreendido entre o séc. XVIII e a segunda guerra mundial. A narrativa divide-se em duas partes, a primeira acontece em Istambul e a segunda em Paris e é narrada pelo turco Mehte que encontrou um Tiago Salazar curioso que subia e descia uma escada que tinha descoberto durante as suas deambulações por Istambul. Mehte convidou-o para sua casa e aí lhe contou a vida destes judeus filantropos e amantes de negócios, do saber e da arte. 

De forma cativante o autor conduz o leitor até ao passado, e fá-lo viver no seio desta família, ao longo de várias gerações. Gostei muito.


O Beijo da Palavrinha de Mia Couto



É uma ternura. Seja para crianças e/ou adultos, a escrita de Mia Couto encanta-me.





16 fevereiro, 2018

as primeiras coisas de Bruno Vieira Amaral




as primeiras coisas narra o regresso de Bruno Eugénio à casa materna e ao Bairro Amélia, bairro onde nasceu. Num longo prólogo ficamos a saber que uma profunda depressão causada pelo divórcio e pela perda de emprego são as razões desse acontecimento.

Para combater a solidão e o desespero em que se encontra, Bruno com a ajuda de Virgílio, o fotógrafo do bairro, procura recolher toda a informação possível sobre várias figuras do bairro bem como de alguns espaços e eventos. É esta informação que nos é narrada, por ordem alfabética, no seu romance através de uma escrita simples, bem-humorada e crua, (própria deste tipo de bairros).

Fica claro que o comportamento destas personagens representa em grande parte o retrato de muitos outros bairros deste país cheio de personagens inativas, doentes, incultas e corruptas.





04 fevereiro, 2018

Se Isto é um Homem de Primo Levi




Livro autobiográfico e primeiro de uma trilogia. Primo Levi narra o período que passou num campo de concentração alemão, o Lager. De forma objectiva e rigorosa descreve os comportamentos do homem submetidos a condições de extrema violência, os modos de vida, as “actividades” praticadas como meio de sobrevivência, as doenças, a “selecção”, a gestão dos campos. Ao longo destas páginas, Primo Levi, magistralmente, revela-nos a maldade humana e o horror do extermínio, mas ressalva também a presença de alguma bondade humana. 
De leitura obrigatória, este livro levanta questões que hoje, estão de novo presentes na nossa sociedade. Afinal, qual é o valor do ser humano? Se isto é um Homem está, de novo, ou nunca deixou de estar, na ordem do dia.