MAR

MAR

21 janeiro, 2018

é no peito a chuva de Gonçalo Naves



O autor revela-nos uma escrita trabalhada, cuidada e arriscada, atrevo-me a dizer, porque subverte algumas regras estabelecidas na nossa gramática. No entanto, fá-lo já com mestria à semelhança de alguns escritores famosos. O que não é um defeito, mas uma característica que exige apenas uma maior atenção durante a leitura. 

Gosto da temática abordada, o Gonçalo apesar de ser ainda um jovem já demonstrou que está atento e informado. Neste segundo livro, temos a dicotomia cidade/ campo. Como na cidade existe a solidão, a doença, a miséria, as pessoas deslocam-se para o campo e aí encontram a pureza da natureza, o belo e a bondade. Recorrendo a algumas, poucas personagens, o autor expõe a sua visão e de forma inteligente vai interagindo com o leitor na busca de um entendimento.


Sem comentários: