MAR

MAR

29 janeiro, 2017

O gato de Uppsala de Cristina Carvalho



Trata-se de uma história de amor entre dois jovens. Elvis veio de Kiruna até Uppsala onde conheceu uma jovem rapariga e o seu gato. Apaixonam-se e casam. Mais tarde, iniciam uma caminhada até Estocolmo para verem partir Vasa, o imponente navio de guerra.
Este livro inclui o PNL. Lê-se muito bem e dá-nos a conhecer um pouco da história e dos costumes da Suécia.

24 janeiro, 2017

As fabulosas histórias da Tapada de Mafra de Cristina Carvalho



É realmente um pequeno livro maravilhoso com histórias fabulosas dos animais e das plantas que vivem na Tapada de Mafra.
Apetece programar uma visita a este local único e tão perto de Lisboa. Afinal "A Tapada de Mafra está mesmo aqui." 


21 janeiro, 2017

Nocturno: O romance de Chopin de Cristina Carvalho



A leitura deste livro fez-me (re)descobrir a música de Chopin. Há muito que não o ouvia - o que é lamentável. A autora consegue transmitir-nos a sua paixão pelo compositor de uma maneira admirável e nós, leitores, ficamos inebriados pela genialidade e impetuosidade musical de Chopin. Pena ter vivido tão pouco.
Gostei muito e recomendo vivamente a leitura deste livro.
(Façam como eu, à medida que vão descobrindo o génio através das palavras de Cristina Carvalho, ouçam as músicas citadas na obra... é tudo bem mais fácil e belo.)

16 janeiro, 2017

Porque escolhi viver de Yeonmi Park



O que sabemos da Coreia do Norte? Pouco, muito pouco é a conclusão que se tira depois de ler este testemunho escrito na primeira pessoa.
Foi um autêntico murro no estômago! História dura e cruel que relata a realidade norte-coreana: a ausência total de liberdade (de pensar, de escolher, de viver), a fome, a perseguição, o tráfico de bens, o tráfico humano, a violação, a fuga, a sobrevivência...
Yeonmi foi e é uma vencedora! Lutou pela sua sobrevivência, pela sua mãe e nunca desistiu de encontrar a sua irmã. Agora, luta pela liberdade do seu povo.

11 janeiro, 2017

Dia de aniversário - Al Berto



noutros tempos
quando acreditávamos na existência da lua
foi-nos possível escrever poemas e
envenenávamo-nos boca a boca com o vidro moído
pelas salivas proibidas - noutros tempos
os dias corriam com a água e limpavam
os líquenes das imundas máscaras


hoje
nenhuma palavra pode ser escrita
nenhuma sílaba permanece na aridez das pedras
ou se expande pelo corpo estendido
no quarto do zinabre e do álcool - pernoita-se

onde se pode - num vocabulário reduzido e
obsessivo - até que o relâmpago fulmine a língua
e nada mais se consiga ouvir

apesar de tudo
continuamos a repetir os gestos e a beber
a serenidade da seiva - vamos pela febre
dos cedros acima - até que tocamos o místico
arbusto estelar
e
o mistério da luz fustiga-nos os olhos
numa euforia torrencial


Al Berto, Horto de Incêndio

10 janeiro, 2017

A Desgraça de Amarílio Mendietta de Norberto Morais



Gostei do conto, lê-se numa horita, mas soube a pouco, Norberto Morais. Queremos mais!!
Coitado do Amarílio! Será que se virou mesmo o feitiço contra o feiticeiro ou será que quem ri por último, ri melhor!!



09 janeiro, 2017

Não Se Pode Morar Nos Olhos De Um Gato de Ana Margarida de Carvalho



Terminada a leitura... ficam as personagens (sim, ficam na nossa mente, não desgrudamos delas), as emoções (fortíssimas), as perguntas (como pode o Homem ser tão cruel? Ter tantos preconceitos?)
O remorso do passado que alimenta as memórias deste grupo improvável, que sobreviveu a um naufrágio, deixá-los-á viver ou conduzi-los-á à morte?
A escrita de Ana Margarida de Carvalho transporta o leitor para uma viagem alucinante, arrebatadora, surpreendente e duríssima! 
Recomendo!