MAR

MAR

30 setembro, 2013

Philip Roth nomeado Comandante da Legião de Honra de França



 



O escritor norte-americano Philip Roth recebeu, na sexta-feira, a insígnia de Comandante da Legião de Honra de França das mãos do ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Laurent Fabius, numa cerimónia realizada na única livraria francesa de Nova Iorque.

A mais alta distinção do governo francês foi concedida a Philip Roth pela sua contribuição para a literatura global e pela sua longa relação com França.


 
in LEYA BIS

26 setembro, 2013

Exposição arquitectura de urbanismo na Av. Duque D'Ávila

imagens_970x350_A5

AVENIDA DUQUE D'ÁVILA

ARQUITECTURA URBANISMO 2000-2012
ARCHITECTURE URBANISME 2000-2012

25 setembro -  20 outubro 2013/ 25 septembre - 20 octobre 2013
40 expositores, em formato MUPI, mostram mapas, plantas, fotos e perspectivas de arquitectos. São 100 projectos que ilustram as novas respostas à construção e desenvolvimento das metrópoles.

40 présentoirs en, format Mupi, montrent des cartes, des plans, des photos et des perspectives d’architectes. Ce sont 100 projets qui illustrent les nouvelles réponses à la construction et au développement des métropoles. 

Exposição integrada no tratado de amizade Paris- Lisboa.

23 setembro, 2013

Morreu António Ramos Rosa (17.10.1924 - 23.09.2013)




Quem escreve



Quem escreve quer morrer, quer renascer

num ébrio barco de calma confiança.

Quem escreve quer dormir em ombros matinais

e na boca das coisas ser lágrima animal

ou o sorriso da árvore. Quem escreve

quer ser terra sobre terra, solidão

adorada, resplandecente, odor de morte

e o rumor do sol, a sede da serpente,

o sopro sobre o muro, as pedras sem caminho,

o negro meio-dia sobre os olhos.



António Ramos Rosa
       

22 setembro, 2013

Leituras

 
Sinopse
«Mais tarde, também eu arrancarei o coração do peito para o secar como um trapo e usar limpando apenas as coisas mais estúpidas.»

Passado nos recônditos fiordes islandeses, este romance é a voz de uma menina diferente que nos conta o que sobra depois de perder a irmã gémea. Um livro de profunda delicadeza em que a disciplina da tristeza não impede uma certa redenção e o permanente assombro da beleza.
O livro mais plástico de Valter Hugo Mãe. Um livro de ver. Uma utopia de purificar a experiência difícil e maravilhosa de se estar vivo.
 
 
 
"A Desumanização é o resultado do amor (no sentido do encantamento) do autor pela Islândia, o país da neve, do gelo e dos fiordes."
 
Miguel Real in JL 
 
 
 
 

Sinopse
 
Daniel tinha um plano, uma espécie de diário do futuro, escrito num caderno. Às vezes voltava atrás para corrigir pequenas coisas, mas, ainda assim, a vida parecia fácil - e a felicidade também. De repente, porém, tudo se complicou: Portugal entrou em colapso e Daniel perdeu o emprego, deixando de poder pagar a prestação da casa; a mulher, também desempregada, foi-se embora com os filhos à procura de melhores oportunidades; os seus dois melhores amigos encontram-se ausentes: um, Xavier, está trancado em casa há doze anos, obcecado com as estatísticas e profundamente deprimido com o facto de o site que criaram para as pessoas se entreajudarem se ter revelado um completo fracasso; o outro, Almodôvar, foi preso numa tentativa desesperada de remendar a vida. Quando pensa nos seus filhos e no filho de Almodôvar, Daniel procura perceber que tipo de esperança resta às gerações que se lhe seguem. E não quer desistir. Apesar dos escombros em que se transformou a sua vida, a sua vontade de refazer tudo parece inabalável. Porque, sem futuro, o presente não faz sentido.
Índice Médio de Felicidade é um romance admirável e extremamente actual sobre um optimista que luta até ao fim pela sua vida e pela felicidade daqueles que ama. Dramático e realista, mas com momentos hilariantes, confirma o talento de David Machado como um dos melhores ficcionistas da sua geração.
 
 

17 setembro, 2013

Paris-Lisboa

Foto: PT A propósito das celebrações dos 15 anos do Acordo de Amizade e Cooperação Paris-Lisboa, leva-se a cabo, de 19 de Setembro a 17 de Outubro, um programa feito de cruzamentos entre a Cultura das duas capitais.

FR Dans le cadre de la célébration du 15éme anniversaire du pacte d’amitié Paris-Lisbonne, un programme où les deux capitales cherchent les croisements culturels.
19 setembro/septembre > 17 outubro/octobre 2013 
15 anos de amizade / 15 Ans d’Amitié

 




Se a amizade é o valor que inspira o tratado de amizade Paris-Lisboa, não há melhor maneira de a comemorar do que através da cultura, convite para o encontro e a descoberta, estímulo para a aproximação e o reconhecimento, incentivo para a criação e para a renovação. Como dizia André Malraux: “A cultura não se herda, conquista-se.” Numa altura de grandes ameaças e incertezas, é preciso defender, valorizar e reafirmar os nossos ideais comuns, os sonhos que partilhamos, as nossas aspirações convergentes. Esta festa é, portanto, uma festa da amizade. E uma dinâmica que, vinda do passado, nos une, e nos transporta  para o futuro.

António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa

 

Si l’amitié est la valeur inspirant le traité d’amitié Paris-Lisbonne, il n’y a pas de meilleure manière de la célébrer qu’à travers la culture, invitation à la rencontre et à la découverte, encouragement au rapprochement et à la reconnaissance, incitation à la création et au renouvellement. Comme le disait André Malraux, “la culture ne s’hérite pas, elle se conquiert”. À une époque de grandes menaces et d’incertitudes, nous avons besoin de défendre, de valoriser et de réaffirmer nos idéaux communs, nos rêves partagés, nos aspirations convergentes. Cette célébration est donc une fête de l’amitié. Et une dynamique qui, venue du passé, nous lie et nous conduit vers l’avenir.
 António Costa, Maire de Lisbonne


 


En mettant à l’honneur la culture pour célébrer notre  amitié, nous voulons rappeler que Lisbonne et Paris sont avant tout liés par une communauté d’esprit
et par une même recherche de sens, en ces heures  où nous en avons plus que jamais besoin. La culture  et le partage sont en effet indispensables aujourd’hui  pour donner un nouvel élan à notre citoyenneté  européenne. Je forme le voeu qu’un public nombreux  vienne vivre à travers ce programme des émotions artistiques et humaines inoubliables, et que les liens  qui unissent Lisbonne et Paris soient toujours plus  forts et plus fructueux.

Bertrand Delanoë, Maire de Paris
 

Na homenagem à cultura para celebrar a nossa amizade, queremos relembrar que Lisboa e Paris estão principalmente ligadas por uma comunhão de espírito e por uma busca comum de sentido, nestes momentos em que, mais do que nunca, delas precisamos.
A cultura e a partilha são realmente indispensáveis hoje em dia para dar um novo impulso à nossa cidadania europeia. Espero, sinceramente, que um imenso público participe neste programa de emoções artísticas e humanas inesquecíveis, e que os laços que unem Lisboa e Paris sejam cada vez mais fortes e mais profícuos.

Bertrand Delanoë, Presidente da Câmara Municipal de Paris
 
 
 
 
 

16 setembro, 2013

3ª Trienal de Arquitectura de Lisboa




A terceira Trienal de Arquitectura de Lisboa, Close, Closer já abriu ao público. Há várias   atividades integradas na cidade de Lisboa: exposições,  workshops, jantares, parlamentos, projecções , teatros, concursos e conversas públicas, entre muitas outras.
 
Consultar o programa em  www.close-closer.com



14 setembro, 2013

Al Berto à LER (1989)





É preciso repensar a nossa vida. Repensar a cafeteira do café, de que nos servimos de manhã, e repensar uma grande parte do nosso lugar no universo. Talvez isso tenha a ver com a posição do escritor, que é uma posição universal, no lugar de Deus, acima da condição humana, a nomear as coisas para que elas existam. Para que elas possam existir… Isto tem a ver com o poeta, sobretudo, que é um demiurgo. Ou tem esse lado. Numa forma simples, essa maneira de redimensionar o mundo passa por um aspecto muito profundo, que não tem nada a ver com aquilo que existe à flor da pele. Tem a ver com uma experiência radical do mundo.
Por exemplo, com aquela que eu faço de vez em quando, que é passar três dias como se fosse cego. Por mais atento que se seja, há sempre coisas que nos escapam e que só podemos conhecer de outra maneira, através dos outros sentidos, que estão menos treinados… Reconhecer a casa através de outros sentidos, como o tacto, por exemplo. Isso é outra dimensão, dá outra profundidade. E a casa é sempre o centro e o sentido do mundo. A partir daí, da casa, percebe-se tudo. Tudo. O mundo todo.

 

13 setembro, 2013

Florbela de Vicente Alves do Ó tem 15 nomeações para os Sophia




O filme Florbela de Vicente Alves do Ó foi nomeado em 15 categorias para os prémios Sophia. De entre elas, destacam-se a de Melhor Filme, Melhor Realização, Melhor Actor (Ivo Canelas) e Melhor Actriz (Dalila Carmo).


Os Sophia (nome da poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen), que pretendem premiar o que de melhor se faz no cinema em Portugal, vão ser entregues a 6 de Outubro pela Academia Portuguesa de Artes e Ciências Cinematográficas.



11 setembro, 2013

Rosa Maria Martelo ganha Grande Prémio de Ensaio “Eduardo Prado Coelho”

Rosa Maria Martelo
recebe o Grande Prémio de Ensaio “Eduardo Prado Coelho”  
no próximo dia 18 de Setembro, pelas 17h30, pelo seu livro “O Cinema da Poesia” (Ed. Documenta), na Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão.



 Rosa Maria Martelo venceu o Grande Prémio de Ensaio "Eduardo Prado Coelho" com o livro O Cinema da Poesia . O prémio é atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores com o patrocínio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.
 
O júri  foi constituído por Clara Rocha, José Cândido Martins e José Carlos Seabra Pereira.
 
A autora é professora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e já publicou, entre outras, as seguintes obras:
- Carlos de Oliveira e a Referência em Poesia 
- Em Parte Incerta. Estudos de Poesia Portuguesa Contemporânea
- Vidro do mesmo Vidro – Tensões e deslocamentos na poesia portuguesa depois de 1961 
- A Forma Informe. Leituras de Poesia
-  A Porta de Duchamp (poesia)
 

09 setembro, 2013

Novo quadro de Van Gogh


                                                              Pôr-do-sol em Mont Majour


O Museu Van Gogh, em Amesterdão, revelou a identificação de um novo quadro do pintor holandês. A obra foi pintada na região de Arles, em França, onde Van Gogh tinha chegado no início de 1888.
 
Depois de um trabalho de investigação que durou dois anos, o Museu Van Gogh pôde agora assegurar a autenticidade desta obra que mede cerca de 1 x 1 metros e pertence a um coleccionador particular.
 
Na investigação que efectuaram sobre o quadro, os dois especialistas, Louis van Tilborgh e Teio Meedendorp, confirmaram a similitude dos pigmentos com os que o pintor usou noutros trabalhos feitos em Arles, na mesma altura – nomeadamente na pintura The Rocks.
 
O quadro vai  ser mostrado ao público a partir de 24 de Setembro, integrado na exposição Van Gogh at Work, que o Museu de Amesterdão tem patente desde Maio e até 12 de Janeiro de 2014.