MAR

MAR

30 junho, 2013

Um poema de António Ramos Rosa


                                       foto retirada de proibidoler.com



Para um amigo tenho sempre um relógio
esquecido em qualquer fundo de algibeira.
Mas esse relógio não marca o tempo inútil.
São restos de tabaco e de ternura rápida.
É um arco-íris de sombra, quente e trémulo.
É um copo de vinho com o meu sangue e o sol. 




 
António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"

Sem comentários: