MAR

MAR

27 janeiro, 2013

Lanzarote instala escultura em homenagem a José Saramago

José Saramago homenageado em Lanzarote com escultura
Fotografia © Fundação José Saramago/Direitos Reservados
 
Uma escultura de uma oliveira com quase cinco metros vai ser instalada junto à casa onde o escritor José Saramago (1922-2010) viveu, em Tías, Lanzarote, em homenagem ao Nobel da Literatura português.
 
De acordo com um comunicado da Fundação José Saramago, em Lisboa, a escultura em aço vai ser instalada na rotunda que dá acesso ao complexo onde fica a casa e a biblioteca do escritor, em Tías, no dia 18 de março, data do segundo aniversário da abertura deste espaço ao público.

A escultura, da autoria de José Perdomo a partir de um desenho de Esther Viña, ambos de Lanzarote, representa uma oliveira feita com as letras iniciais de José Saramago: o tronco é a letra "j" e os ramos são todos em forma da letra "s".
De acordo com a fundação, a iniciativa tem como objetivo deixar um testemunho da permanência de José Saramago em Lanzarote, onde se instalou em 1993, repartindo a presença na ilha com sucessivas estadas em Lisboa.
Foi em Lanzarote que escreveu o livro "Ensaio sobre a Cegueira" (1995) e todas as obras que se seguiram.
 

19 janeiro, 2013

Eugénio de Andrade (19.jan.1923 - 13.jun.2005)

 
 
As Amoras

O meu país sabe as amoras bravas
no verão.     
Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.
Raramente falei do meu país, talvez
nem goste dele, mas quando um amigo
me traz amoras bravas
os seus muros parecem-me brancos,
reparo que também no meu país o céu é azul.
  
Eugénio de Andrade

18 janeiro, 2013

Maria do Rosário Pedreira vence Prémio Inês de Castro 2012





Maria do Rosário Pedreira vence o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2012, pelo livro “Poesia reunida”, publicado em setembro passado.
 
 A obra “Poesia Reunida”, publicada pela Quetzal, integra as obras de Maria do Rosário Pedreira, “A Casa e o Cheiro dos Livros” (1996), “O Canto do Vento nos Ciprestes” (2001) e “Nenhum Nome Depois” (2004) e o inédito “A Ideia do Fim”.
 
 
Maria do Rosário Pedreira nasceu em Lisboa, em 1959. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de Estudos Franceses e Ingleses, pela Universidade Clássica de Lisboa (1981). Coordenou os serviços da Editora Gradiva, foi diretora de publicações da Sociedade Portugal-Frankfurt/97 e editou os catálogos das exposições temáticas da Expo'98, entre outros. Em 1998, tornou-se editora da publicação Temas e Debates.
 
__________
 
O verão deixa-me os olhos mais lentos sobre os livros
O verão deixa-me os olhos mais lentos sobre os livros.
As tardes vão-se repetindo no terraço, onde as palavras
são pequenos lugares de memória. Estou divorciada dos
outros pelo tempo destas entrelinhas - longe de casa,
tenho sonhos que não conto a ninguém, viro devagar

a primeira página: em fevereiro, eles ainda faziam amor
à sexta-feira. De manhã, ela torrava pão e espremia
laranjas numa cozinha fria. Havia mais toalhas para lavar
ao domingo, cabelos curtos colados teimosamente ao espelho.
Às vezes, chovia e ambos liam o jornal, dentro do carro,
antes de se despedirem. As vezes, repartiam sofregamente
a infância, postais antigos, o silêncio - nada

aconteceu entretanto. Regresso, pois, à primeira linha,
à verdade que remexe entre as minhas mãos. Talvez os olhos
estivessem apenas desatentos sobre o livro; talvez as histórias
se repitam mesmo, como as tardes passadas no terraço, longe
de casa. Aqui tenho sonhos que não conto a ninguém.



Maria do Rosário Pedreira in A Casa e o Cheiro dos Livros

11 janeiro, 2013

Um poema de Al Berto





procuro-te no meio dos papéis escritos
atirados para o fundo do armário de vidrinhos
comias uvas no meio da página


a seguir era como se fosse noite
havia olhares que se cruzavam corpos
deambulações pela praia
era noite e alguém se aproximava


eu estava passeando os dedos
pelas nódoas frescas do vinho sobre a mesa o caderno
onde de quando em quando rabiscava um rosto
e listas de nomes que não queria esquecer


paguei o pão o vinho o queijo
levantei-me
tu cortaste-me a fuga vagarosamente preparada
pediste-me um cigarro


na outra página estávamos rindo
estendidos no pobre embarcadouro de madeira
planeávamos atravessar a noite mágica do rio


a página seguinte está em branco
mas lembro-me que te agarrei a mão e disse
todos os cigarros do mundo são para ti


O Medo 

05 janeiro, 2013

Os Miseráveis



 
 
Os Miseráveis é uma adaptação para cinema, da aclamada peça vista por mais de 60 milhões de espectadores em 42 países e traduzida para 21 línguas por todo o globo, alcançando ainda recordes de bilheteira em tudo o mundo no seu 27.º aniversário. Liderada por Tom Hooper, vencedor do Oscar® de Melhor Realizador com “O Discurso do Rei”, a produção Working Title/Cameron Mackintosh, é protagonizada por Hugh Jackman, Russell Crowe, Anne Hathaway, Amanda Seyfried, Helena Bonham Carter e Sacha Baron Cohen.
Com a França do século XIX como pano de fundo, Os Miseráveis conta uma apaixonante história de sonhos desfeitos, de um amor não correspondido, paixão, sacrifício e redenção, num testemunho intemporal da sobrevivência do espírito humano. Jackman interpreta um ex-prisioneiro, Jean Valjean, perseguido durante décadas pelo cruel polícia Javert (Russell Crowe), depois de ter quebrado a sua liberdade condicional. Quando Valjean aceita cuidar de Cosette, a filha da operária Fantine (Anne Hathaway), as suas vidas mudam para sempre.
Baseado no conto épico de Victor Hugo, Tom Hooper traz para o grande ecrã, a sua espetacular interpretação do musical que está há mais tempo em cena no mundo. Com estrelas internacionais e grandes temas, nomeadamente, “I Dreamed a Dream”, “Bring Him Home”, “One Day More” e “On My Own”; Os Miseráveis, o show dos shows, renasce agora como uma experiência cinematográfica arrebatadora.

02 janeiro, 2013

Dois poemas de António Ramos Rosa


                                         (foto retirada de "No cemitério dos livros esquecidos...)


Caminhas por um bosque azul entre a aridez e a frescura
Buscas o repouso móvel e um rio de pássaros
Quantas ilhas submersas no teu peito
Escreves o silêncio e o vento que te enlaça
Abraças-te a um corpo escuro um corpo de água
No vazio e no torvelinho modelas a Presença
Entre palavras de pedra e palavras de chuva
esculpes um deus  ignorante e instantâneo
Não te perdes entre os elementos enlaçados
ou no labirinto de lábios que te envolve a cabeça

António Ramos Rosa

(Um grande bem haja ao Rui Correia que me cedeu este poema)


___________________


O livro está aberto e há demasiada luz.
Tudo o que escreves está contido nesse livro de letras brancas como a tua morte.
Será possível ler o sol e o silêncio desse livro branco eternamente branco e silencioso?
Como conter a ávida necessidade de devorá-lo como se o livro pudesse matar-nos a irredutível fome de uma linguagem legível e luminosa?
Estamos perante a impossibilidade de ler por um excesso de luz que é a um tempo a nossa morte e a improvável possibilidade de escrever o que não vemos, de ler o que não lemos.
Devoramos o livro e com os olhos cegos de brancura transformar a impossível leitura na escrita de uns signos imediatos que nos devolvem a linguagem da luz apagada pela luz.


António Ramos Rosa