MAR

MAR

05 novembro, 2011

Colóquio dedicado a Ruy Belo

Ruy Belo 70's_3.jpg

Aconteceu na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, um colóquio internacional de dois dias dedicado a Ruy Belo, a pretexto dos 50 anos decorridos sobre a primeira edição do seu livro de estreia: "Aquele Grande Rio Eufrates" (1961).

Estiveram presentes estudiosos da sua obra, mas também de especialistas da poesia portuguesa do século XX e da teoria e crítica literárias, nacionais e estrangeiros.

No encontro -- organizado por Paula Morão, professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Nuno Júdice, professor da Universidade Nova de Lisboa, escritor e diretor da revista Colóquio/Letras, da Fundação Gulbenkian, e Teresa Belo, viúva do poeta --, foram abordadas diversas facetas da obra do escritor, os seus universos de referência e sobre o lugar que ela ocupa na poesia contemporânea.

@ Agência Lusa (adaptado)

______________________


As velas da memória

Há nos silvos que as manhãs me trazem
chaminés que se desmoronam:
são a infância e a praia os sonhos de partida
Abrir esse portão junto ao vento que a vida
aquém ou além desta me abre?
Em que outro mundo ouvi o rouxinol
tão leve que o voo lhe aumentava as asas?
Onde adiava ele a morte contra os dias
essa primeira morte?
Vinham núpcias sem conto na inconcebível voz
Que plenitude aquela: cantar
como quem não tivesse nenhum pensamento.
Quem me deixou de novo aqui sentado à sombra
deste mês de junho? Como te chamas tu
que me enfunas as velas da memória ventilando: «aquela vez...»?
Quando aonde foi em que país?
Que vento faz quebrar nas costas destes dias
as ondas de uma antiga música que ouvida
obriga a recuar a noite prometida
em círculos quebrados para além das dunas
fazendo regressar rebanhos de alegrias
abrindo em plena tarde um espaço ao amor?
Que morte vem matar a lábil curva da dor?
Que dor me faz doer de não ter mais que morrer?
E ouve-se o silêncio descer pelas vertentes da tarde
chegar à boca da noite e responder

In Aquele Grande Rio Eufrates

Sem comentários: