MAR

MAR

31 maio, 2010

Prémio Camões 2010 atribuído a Ferreira Gullar


Júri atribuiu ao escritor brasileiro Ferreira Gullar o maior prémio de prestígio da língua portuguesa.

Ferreira Gullar (José Ribamar Ferreira), nasceu no dia 10 de Setembro de 1930, na cidade de São Luiz, capital do Maranhão, quarto filho dos onze que teriam seus pais, Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart.

Site oficial:
http://literal.terra.com.br/ferreira_gullar/


BIBLIOGRAFIA

1. Individuais

Poesia:

Um pouco acima do chão, 1949

A luta corporal, 1954

Poemas, 1958

João Boa-Morte, cabra marcado para morrer (cordel), 1962

Quem matou Aparecida? (cordel), 1962

A luta corporal e novos poemas, 1966

História de um valente, (cordel, na clandestinidade, como João Salgueiro), 1966

Por você por mim, 1968

Dentro da noite veloz, 1975

Poema sujo, 1976

Na vertigem do dia, 1980

Crime na flora ou Ordem e progresso, 1986

Barulhos, 1987

O formigueiro, 1991

Muitas vozes, 1999

Poemas reunidos:

Toda poesia, 1980

Antologias:

Antologia poética, 1977

Ferreira Gullar - seleção de Beth Brait, 1981

Os melhores poemas de Ferreira Gullar - seleção de Alfredo Bosi, 1983

Poemas escolhidos, 1989

Poesia completa, teatro e prosa, org. de Antonio Carlos Secchin, 2008

Contos:

Gamação, 1996

Cidades inventadas, 1997

Teatro:

Um rubi no umbigo, 1979

Crónicas:

A estranha vida banal, 1989

O menino e o arco-íris, 2001

Memórias:

Rabo de foguete - Os anos de exílio, 1998

Biografia:

Nise da Silveira: uma psiquiatra rebelde, 1996

Ensaios:

Teoria do não-objeto, 1959

Cultura posta em questão, 1965

Vanguarda e subdesenvolvimento, 1969

Augusto do Anjos ou Vida e morte nordestina, 1977

Tentativa de compreensão: arte concreta, arte neoconcreta - Uma contribuição brasileira, 1977

Uma luz no chão, 1978

Sobre arte, 1983

Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte neoconcreta, 1985

Indagações de hoje, 1989

Argumentação contra a morte da arte, 1993

"O Grupo Frente e a reação neoconcreta", 1998

Cultura posta em questão/Vanguarda e subdesenvolvimento, 2002

Rembrandt, 2002

Relâmpagos, 2003

Disco:

Antologia poética de Ferreira Gullar (música de Egberto Gismonti), 1979

Televisão:

Adaptações:

Episódios da série "Aplauso", Rede Globo, 1979:
- Ilha das cabras, Ugo Betti
- As pequenas raposas, Lilian Helmann
- A lição, Eugéne Ionesco
- O preço, Arthur Miller
- Judas em Sábado de Alelúia, Martins Penna
- Só o faraó tem alma, Silveira Sampaio

Textos originais:

Dona Felinta Cardoso, a rainha do agreste, 1979

Episódios do seriado "Carga Pesada", Rede Globo, 1980:
- Em nome da santa
- O foragido
- Lance final
- Disputa
- Peru de Natal

Episódios do seriado "Obrigado doutor", Rede Globo, 1981:
- A crise
- Uma bela adormecida
- Go home
- Arma branca
- O comício
- O bode

Insensato coração, "Quarta nobre", Rede Globo, 1983.

Obras traduzidas pelo autor:

Teatro:


Ubu rei, Alfred Jarry, 1972
Cyrano de Bergerac, Edmond Rostand, 1985
Lés pays des éléphants, Louis-Charles Sirjacq, 1989
As mil e uma noites, 2000
Don Quixote de la Mancha, Cervantes, 2002

Literatura infanto-juvenil:

Fábulas, La Fontaine, 1997
Um gato chamado Gatinho, 2000
O rei que mora no mar, 2001

2. Em parceria:

Teatro:

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, com Oduvaldo Viana Filho, 1966

A saída? Onde fica a saída?, com Antônio Carlos Fontoura e Armando Costa, 1967

Dr. Getúlio, sua vida e sua glória, com Dias Gomes, 1968

Televisão:

Araponga, com Dias Gomes e Lauro César Muniz, 1990

As noivas de Copacabana, com Dias Gomes e Marcílio Moraes, 1992

Imprensa:

"O cavalheiro da esperança" (entrevista com o arquiteto Oscar Niemeyer), com Bruno Tolentino, 1997

26 maio, 2010

Luandino Vieira

Ontem, o Dia de África foi comemorado na Escola Secundária Poeta Al Berto com José Luandino Vieira. O escritor encantou com as suas estórias alunos, professores e funcionárias.




25 maio, 2010

"O murro" de João Negreiros

Poema feito à Imagem - "O Murro" from Abraham Tark on Vimeo.



O murro

ontem disseram-me que eu era razoável e eu parti
todos os dentes a quem me disse tal coisa

é que não aguentei

porque não insultou minha mãezinha e seus hábitos
conjugais como eu estava à espera?

porque não insultou a minha mãezinha afirmando
que todos os homens do globo poderiam ser o meu
paizinho?

porque não me disse que cheirava mal?

porque não me inventou uma corcunda?

porque não aproveitou conjugando as duas
correntes e descreveu minha mãezinha como
um ser desprovido de higiene e com protuberâncias
dorsais que rivalizariam com os picos da Europa?

chamar-me a mim razoável?!

eu que sou extraordinário de tão ruim

eu que estou nos pólos com os iões

eu que faço tudo para me destacar

violo meninas em plena avenida para depois salvar
o mundo

dou o antídoto aos venenos e o veneno sem antídoto

mato pessoas que idolatro e amo tudo a quem não
gosto


eu que sou magnânimo na intermitência da ruindade

eu rei dos povos e súbdito dos mendigos

eu sou o contrário do razoável

ninguém me ama com medo de se apaixonar

todos me batem com jeito de açoitar o puro-sangue
que se habituou ao cheiro da glória que não se quer
render á vida para procriar

eu sou o Deus triste que está na lama das estrelas

o imperador de palácios vazios

o vagabundo de séquito interminável

a divindade a quem faltam promessas

o risco sem medo

a justiça sem pecador

vivo para lá da lei na origem dos decretos

chamar-me a mim razoável quando sou limpo
sem rasuras

sem razão

chamar coerente a quem inventou a loucura é dar pão
aos patos quando o mar está revolto

dá-me antes um murro em plena face
resvalando a jeito de me partir o nariz para depois
me tratares
com curativos pintados de bonecos de infância que
estava no armário dos medicamentos

ser razoável é pior que mau

é melhor que bom

e é igual a mais ou menos

ser razoável é nem sequer estar

é estar sem querer

é comer sem gosto

é borrar sem cheiro

é morrer sem choro

é cantar sem alma

é estragar o que está precisamente maduro

é esquecer o que acabou de se fazer

é dar as costas à felicidade e o virar de cara ao
infortúnio

ser razoável é ser medíocre ser medíocre é pior que
mau

é melhor que bom

e é igual a qualquer coisa

dá-me antes outro murro para retomar os sentidos e
me lembrar que no extremo está a virtude

nos pólos está mais frio e as criaturas são mais brancas

mais pretas

com mais chifres

e mais longe de casa porque abominam o que é
doméstico

o cão de colo que me perdoe mas sou o urso polar
o esquimó fresquinho que o menino não chega a
lamber porque está no fundo da arca paraalém do rio
mais gelado e do pingo do nariz

chamar-me a mim razoável é chamar ao homem
selvagem e à mulher mulher dele

chamar-me a mim razoável é chamar é chamar a vós também
que levais os ouvidos tapados

chamar-me a mim razoável é dizer a mim e a todos
que não há hipótese de mudar isto para melhor

chamar-me a mim razoável é dizer a mim e a todos
que não há hipótese de mudar isto para pior

chamar-me a mim razoável é dizer a mim e a todos
que estamos a mudar tudo para mais ou menos

exijam o murro em plena face
gritem pelo murro

façam o abaixo-assinado pelo murro

mil milhões de assinaturas pelo murro em plena face

recebamo-lo com um sorriso com menos dentes
e sangue a escorrer livre

e o sangue que nos escoa da boca vai dar cor a isto

vai-vos sujar os casaquinhos imaculados que se
venderão a preços simbólicos nas feiras e por maquias
estratosféricas nas lojas de haute-couture

e na impossibilidade de encontrar o equilíbrio

o conforto

o quentinho

o meio

encontramos a humanidade que é feita de defeitos

amores impossíveis

rotas ocasionais

céus carregados

searas em chama

florestas virgens

assomos de bravura

loucuras temporárias

e tranquilidades passageiras

e tu que levas os dentes partidos só porque alguém
não te quis perfeito sabes agora a importância de
saber

tu que lavas a boca no chafariz na despedida do
incisivo sabes agora ao que vens

ao que venho

ao que vimos

sabes agoraque somos

somos tudo

somos completamente tudo

somos o que sobra do sorriso depois dos dentes se
afogarem pela rapidez do rio


João Negreiros in a verdade dói e pode estar errada

24 maio, 2010

"Nature Capitale" coloca a agricultura na maior avenida de Paris




Fotos retiradas de express.fr
A Avenida Champs-Elysées foi interditada ao trânsito, ontem e hoje, para uma exposição inédita: apresentar ao homem citadino a importância da agricultura. A iniciativa transformou o coração de Paris num campo florido, com pastagens para alimentação de gado e exposição de animais, dando assim, novos odores, cores e sons à paisagem urbana.

Para saber mais em lepoint.fr ou nature capitale









23 maio, 2010

LUNG BOONMEE RALUEK CHAT (ONCLE BOONMEE CELUI QUI SE SOUVIENT DE SES VIES ANTERIEURES)

Crédits:
Apichatpong WEERASETHAKUL - Réalisation
Apichatpong WEERASETHAKUL - Scénario & Dialogues
Yukontorn MINGMONGKON - Images
Charin PENGPANICH - Images
Sayombhu MUKDEEPROM - Images
Akekarat HOMLAOR - Décors
Lee CHATAMETIKOOL - Montage
Akritchalerm KALAYANAMITR - Son
Koichi SHIMIZU - Son

Acteurs:
Natthakarn APHAIWONK - Huay (épouse de Boonmee)
Sakda KAEWBUADEE - Tong
Geerasak KULHONG - Boonsong (fils de Boonmee)
Jenjira PONGPAS - Jen
Thanapat SAISAYMAR - Oncle Boonmee

Synopsis
Oncle Boonmee souffre d’une insuffisance rénale aigüe et décide de finir ses jours auprès des siens à la campagne. Étrangement, les fantômes de sa femme décédée et de son fils disparu lui apparaissent et le prennent sous leurs ailes. Méditant sur les raisons de sa maladie, Boonmee va traverser la jungle avec sa famille jusqu’à une grotte au sommet d’une colline - le lieu de naissance de sa première vie...

Festival de Cannes 2010

Le Palmarès du Festival de Cannes 2010:

Longs métrages

Palme d'Or
LUNG BOONMEE RALUEK CHAT (ONCLE BOONMEE CELUI QUI SE SOUVIENT DE SES VIES ANTÉRIEURES) réalisé par Apichatpong WEERASETHAKUL

Grand Prix
DES HOMMES ET DES DIEUX réalisé par Xavier BEAUVOIS

Prix de la mise en scène
Mathieu AMALRIC pour TOURNÉE

Prix du scénario
LEE Chang-dong pour POETRY

Prix d'interprétation féminine
Juliette BINOCHE dans COPIE CONFORME réalisé par Abbas KIAROSTAMI

Prix d'interprétation masculine Ex-aequo
Javier BARDEM dans BIUTIFUL réalisé par Alejandro GONZÁLEZ IÑÁRRITU
Elio GERMANO dans LA NOSTRA VITA réalisé par Daniele LUCHETTI

Prix du Jury
UN HOMME QUI CRIE réalisé par Mahamat-Saleh HAROUN

Courts métrages
Palme d'Or du court métrage
CHIENNE D'HISTOIRE réalisé par Serge AVÉDIKIAN

Prix du Jury - court métrage
MICKY BADER (MICKY SE BAIGNE) réalisé par Frida KEMPFF


Prix Un Certain Regard - Fondation Groupama Gan pour le Cinéma
HAHAHA réalisé par HONG Sangsoo

Prix du Jury - Un Certain Regard
OCTUBRE (OCTOBRE) réalisé par Daniel VEGA, Diego VEGA

Prix d'interprétation féminine Un Certain Regard
LOS LABIOS (LES LEVRES) interprété par Victoria RAPOSO, Eva BIANCO, Adela SANCHEZ

Premier Prix de la Cinéfondation
TAULUKAUPPIAAT (LES MARCHANDS DE TABLEAUX) réalisé par Juho KUOSMANEN

Deuxième Prix de la Cinéfondation
COUCOU-LES-NUAGES réalisé par Vincent CARDONA

Troisième Prix de la Cinéfondation Ex-aequo
HINKERORT ZORASUNE réalisé par Vatche BOULGHOURJIAN
JA VEC JESAM SVE ONO ŠTO ŽELIM DA IMAM réalisé par Dane KOMLJEN

05 maio, 2010

Aux arbres citoyens - Yannick Noah


Ce titre est extrait de l'album : Charango
Année de sortie : 2006 Label : Sony BMG Music


Aux Arbres Citoyens

Le ciment dans les plaines
Coule jusqu'aux montagnes
Poison dans les fontaines,
Dans nos campagnes

De cyclones en rafales
Notre histoire prend l'eau
Reste notre idéal
"Faire les beaux"

S'acheter de l'air en barre
Remplir la balance :
Quelques pétrodollars
Contre l'existence

De l'équateur aux pôles,
Ce poids sur nos épaules
De squatters éphémers...
Maintenant c'est plus drôle

Puisqu'il faut changer les choses
Aux arbres citoyens !
Il est grand temps qu'on propose
Un monde pour demain !

Aux arbres citoyens
Quelques baffes à prendre
La veille est pour demain
Des baffes à rendre

Faire tenir debout
Une armée de roseaux
Plus personne à genoux
Fait passer le mot

C'est vrai la terre est ronde
Mais qui viendra nous dire
Qu'elle l'est pour tout le monde...
Et les autres à venir...

Puisqu'il faut changer les choses
Aux arbres citoyens !
Il est grand temps qu'on propose
Un monde pour demain !

Puisqu'il faut changer les choses
Aux arbres citoyens !
Il est grand temps qu'on s'oppose
Un monde pour demain !


plus le remps de savoir à qui la faute
De compter la chance ou les autres
Maintenant on se bat
Avec toi moi j'y crois

Puisqu'il faut changer les choses
Aux arbres citoyens !
Il est grand temps qu'on propose
Un monde pour demain !

Yannick Noah

in ados.fr

04 maio, 2010

ROBERT DESNOS no Institut Franco-Portugais



ROBERT DESNOS 1900-1945.
L HOMME QUI PORTAIT EN LUI
TOUS LES RÊVES DU MONDE

06 de Maio - 19h00 - IFP
teatro 5ªf, 19h00

Descritivo:
Leitura encenada, concebida e interpretada por Éric Cénat e Patrice Delbourg.

Produção: Théâtre de l Imprévu em parceria com a Bibliothèque francophone de Limoges.

Uma Selecção Le Printemps des Poètes.

Espectáculo em francês.
Lugar: Institut Franco-Portugais
Morada: Avenida Luís Bívar, 91 / 1050-143 Lisboa

02 maio, 2010

Roger Federer no Open do Estoril 2010


A 21ª edição do Estoril Open arrancou este sábado com a primeira jornada de encontros reservada às fases de qualificação do maior torneio de ténis internacional realizado anualmente em Portugal

Para saber mais:
http://pt.estorilopen.net/

Às mães - 3 poemas


Jan Vermeer



Palavras para a Minha Mãe

mãe, tenho pena. esperei sempre que entendesses
as palavras que nunca disse e os gestos que nunca fiz.
sei hoje que apenas esperei, mãe, e esperar não é suficiente.

pelas palavras que nunca disse, pelos gestos que me pediste
tanto e eu nunca fui capaz de fazer, quero pedir-te
desculpa, mãe, e sei que pedir desculpa não é suficiente.

às vezes, quero dizer-te tantas coisas que não consigo,
a fotografia em que estou ao teu colo é a fotografia
mais bonita que tenho, gosto de quando estás feliz.

lê isto: mãe, amo-te.

eu sei e tu sabes que poderei sempre fingir que não
escrevi estas palavras, sim, mãe, hei-de fingir que
não escrevi estas palavras, e tu hás-de fingir que não
as leste, somos assim, mãe, mas eu sei e tu sabes.

José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"

____________________

Mãe...

Mãe — que adormente este viver dorido,
E me vele esta noite de tal frio,
E com as mãos piedosas ate o fio
Do meu pobre existir, meio partido...

Que me leve consigo, adormecido,
Ao passar pelo sítio mais sombrio...
Me banhe e lave a alma lá no rio
Da clara luz do seu olhar querido...

Eu dava o meu orgulho de homem — dava
Minha estéril ciência, sem receio,
E em débil criancinha me tornava.

Descuidada, feliz, dócil também,
Se eu podesse dormir sobre o teu seio,
Se tu fosses, querida, a minha mãe!

Antero de Quental, in "Sonetos"_______________________

Mãe

Mãe:
Que desgraça na vida aconteceu,
Que ficaste insensível e gelada?
Que todo o teu perfil se endureceu
Numa linha severa e desenhada?

Como as estátuas, que são gente nossa
Cansada de palavras e ternura,
Assim tu me pareces no teu leito.
Presença cinzelada em pedra dura,
Que não tem coração dentro do peito.

Chamo aos gritos por ti — não me respondes.
Beijo-te as mãos e o rosto — sinto frio.
Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes
Por detrás do terror deste vazio.

Mãe:
Abre os olhos ao menos, diz que sim!
Diz que me vês ainda, que me queres.
Que és a eterna mulher entre as mulheres.
Que nem a morte te afastou de mim!

Miguel Torga, in 'Diário IV'