MAR

MAR

27 abril, 2009

«Jazz» Pintura de Xico Fran

Exposição com cerca de 30 telas figurando temas, figuras e momentos históricos do jazz ainda se encontra patente ao público até ao dia 30 de Abril.
Inserida nas comemorações dos 30 anos de carreira da cantora Maria Viana, a exposição do CAS reúne cerca de 30 acrílicos sobre tela subordinados ao tema do jazz, trabalhando visualmente os seus grandes músicos e cantores e alguns dos factos e momentos mais significativos da sua história. O pintor Xico Fran (Francisco Fernandes) nasceu em Luanda, em 1969. Finalizou o curso de Design, no IADE, em 1992, e o curso de Design de Interiores na Escola Superior de Artes Decorativas, em 1996. Em 2002, conheceu o mestre António Inverno, cuja influência reconhece como particularmente marcante no percurso artístico que tem traçado desde então. “Xico Fran coloca na ponta dos seus dedos toda a sua paixão pelas coisas mais simples do nosso quotidiano, criando verdadeiras obras-primas que puxam do mais puro do nosso subconsciente uma intensa curiosidade que culmina, sempre, com um incontrolável sorriso”.


Fonte: CAS

26 abril, 2009

Kossi Efoui, Prix Ahmadou Kourouma 2009


O Prémio Ahmadou Kourouma foi entregue pela 6ª vez consecutiva no âmbito do Salão africano do livro, da imprensa e da cultura que ocorre em Genebra. Este prémio recompensa uma obra consagrada à África negra cujo espírito se enquadra na herança legada pelo escritor costa-marfiniano Ahmadou Kourouma (24-11-1927/11-12-2003).

O júri, reunido sob a presidência do Professor Jacques Chevrier, atribuíu o prémio a
Kossi Efoui pelo livro Solo d'un revenant (Seuil).

Kossi Efoui nasceu em 1962 no Togo. Estudou na universidade do Benim antes de se estabelecer em França. Dramaturgo e romancista é um dos mais jovens autores africanos.


Obras:

Solo d'un revenant, romance, Seuil, 2008
Io (tragédia), teatro, Edition Le bruit des autres, 2007
Volatiles, novelas, Edition Joca Seria, 2006
La Fabrique de cérémonies, romance, Seuil, 2001
L'entre-deux rêves de Pitagaba, teatro, Edition Acoria, 2000
La Polka , romance, Seuil, 1998
La Malaventure, teatro, Lansman, 1998
Le Petit Frère du rameur, teatro, Lansman, 1995
Le carrefour, teatro, Edition L'Harmattan, 1989


Fonte: communiqué de presse

25 abril, 2009

Liberdade

LIBERDADE

Sobre esta página escrevo
teu nome que no peito trago
escrito laranja verde limão
amargo e doce o teu nome.

Sobre esta página escrevo
o teu nome de muitos nomes feito água e fogo lenha vento
primavera pátria exílio.

Teu nome onde exilado habito e canto mais do que nome: navio
onde já fui marinheiro
naufragado no teu nome.

Sobre esta página escrevo o teu nome: tempestade.
E mais do que nome: sangue. Amor e morte. Navio.

Esta chama ateada no meu peito
por quem morro por quem vivo este nome rosa e cardo
por quem livre sou cativo.

Sobre esta página escrevo o teu nome: liberdade.

Manuel Alegre, A Praça da Canção

24 abril, 2009

Parabéns Telma



Telma Monteiro é a nova campeã da Europa de Judo na categoria -57kg, depois de ter ganho na final à inglesa Sarah Clark, hoje, em Tiblissi, na Geórgia.
A judoca portuguesa, que disputou o primeiro título na nova categoria, ganhou por decisão dos árbitros, uma vez que nenhuma das atletas conseguiu vencer no tapete, fruto de um combate muito equilibrado.
«Foi uma final muito disputada, mas sabia que ia ser um combate muito duro e táctico. Ser campeã da Europa sabe sempre muito bem. Perdi um treinador [António Matias, seleccionador nacional, falecido no início de 2008] e empenhei-me em ganhar este título para poder dedicar-lho», diz recordando o seleccionador António Matias, que faleceu aos 43 anos, em Janeiro de 2008.

79ª Feira do Livro de Lisboa


A 79ª Feira do Livro de Lisboa realiza-se entre 30 de Abril e 17 de Maio de 2009, no Parque Eduardo VII. Para além de uma imagem renovada, também os horários sofreram alterações, encerrando agora mais cedo. Estão, para já, inscritas 140 editoras e o país-tema convidado será o Brasil.

Horários:
Abertura:2ª a 6ª feira: 12:30
Sábados, Domingos e Feriados: 11:00
Encerramento:2ª a 5ª feira:20:30
6ª feira e Sábados: 23:00
Domingos e Feriados: 22:00
Último fim de semana: 24:00

Mais informações em: http://www.apel.pt/

19 abril, 2009

Coco avant Chanel

Trata-se do novo filme de Anne Fontaine, com Audrey Tautou , Benoît Poelvoorde , Alessandro NIVOLA ...

Nas salas de cinema, em França, no dia 22 de Abril.

18 abril, 2009

Memorial do Convento no Palácio Nacional de Mafra



Memorial do Convento - Todas as 4ª, 5ª e 6ª f às 11h e às 15h
Co-Produção
Palácio Nacional de Mafra e ÉTER - Produção Cultural



Sinopse
Ansiando por um filho que tarda, o rei D. João V é avisado por frei António de S. José:
"Mande V. Majestade fazer um convento de franciscanos em Mafra e Deus vos dará descendência".
O desejo real desencadeará uma epopeia de homens, um esforço hercúleo de milhares de trabalhadores arregimentados em todo o país, de arquitectos, engenheiros e materiais vindos do estrangeiro e pagos a peso de ouro do Brasil, esgotando-o.
Unidos por um amor natural, Blimunda e Baltasar reúnem-se a Bartolomeu de Gusmão e ao seu sonho de voar. A passarola, máquina voadora, misto de barco e de pássaro, nasce do saber científico de Bartolomeu, da força de trabalho de Baltasar e dos poderes de Blimunda, recolhendo as vontades humanas (as "nuvens fechadas"), que alimentarão a máquina e a farão voar. Sobre as obras do Convento de Mafra terá passado o Espírito Santo, dizem os padres e acredita o povo. Voar, nesse tempo, não sendo obra de Deus, só poderia sê-lo do demónio, e assim se anuncia o fim trágico das três personagens maravilhosas.

Ficha Técnica
Texto: José Saramago
Versão: Filomena Oliveira e Miguel Real
Interpretação: Cláudia Faria (Blimunda), Paulo Campos dos Reis(Baltasar), Flávio Tomé (Padre Bartolomeu de Gusmão), João Mais (Ludovice), Filipe Araújo (Rei D. João V)
Orgânica sonora:
Música original: David Martins
Voz: Andreia Lopes
Piano: Sandra Nunes
Guarda-Roupa & Adereços: Éter e Câmara dos Ofícios
Concepção da Passarola: Flávio Tomé
Desenho de Luz: David Florentino, Carlos Arroja, Paulo Cunha
Criação e adaptação do espaço: Carlos Arroja
Direcção cénica: Filomena Oliveira

Palácio Nacional de Mafra

Fachada Principal

Varanda na fachada principal ("A Pedra" do Memorial do Convento)

O Palácio Nacional de Mafra é um monumento de estilo barroco localizado em Mafra, a cerca de 25 quilómetros de Lisboa.
Foi iniciado em 1717 no reinado de D. João V, em consequência de uma promessa que o jovem rei fizera, aos Franciscanos, se a rainha D. Maria Ana de Áustria lhe desse descendência.
Classificado como Monumento Nacional em 1910, foi considerado uma das Sete Maravilhas de Portugal a 7 de Julho de 2007.

2 dos seis órgãos da basílica

O trabalho começou a 17 de Novembro de 1717 com um modesto projecto para abrigar 13 frades franciscanos, mas o ouro do Brasil começou a entrar nos cofres portugueses; D. João e o seu arquitecto, Johann Friedrich Ludwig (Ludovice) niciaram planos mais ambiciosos. Não se pouparam a despesas. A construção empregou 52 mil trabalhadores e o projecto final acabou por abrigar 330 frades, um palácio real, umas das mais belas bibliotecas da Europa, decorada com mármores preciosos, madeiras exóticas e incontáveis obras de arte. A magnifica basílica foi consagrada no 41.º aniversário do rei, em 22 de Outubro de 1730, com festividades de oito dias.
O palácio era popular para os membros da família real, que gostavam de caçar na tapada. Hoje em dia decorre aqui um projecto para a preservação dos lobos ibéricos. As melhores mobílias e obras de arte foram levadas para o Brasil, para onde partiu a família real aquando das invasões francesas, em 1807. O mosteiro foi abandonado em 1834, após a dissolução das ordens religiosas. Durante os últimos reinados da Dinastia de Bragança, o Palácio foi utilizado como residência de caça e dele saiu também em 5 de Outubro de 1910 o último rei D. Manuel II para a praia da Ericeira, onde o seu iate real o conduziu para o exílio.
No palácio pode-se visitar a farmácia, com belos potes para medicamentos e alguns instrumentos cirúrgicos; o hospital, com dezasseis cubículos privados de onde os pacientes podiam ver e ouvir missa na capela adjacente, sem saírem das suas camas. No andar de cima, as salas do palácio estendem-se a todo o comprimento da fachada ocidental, com os aposentos do rei numa extremidade e os da rainha na outra, a 232 m de distância. Ao centro, a imponente fachada é valorizada pelas torres da basílica coberta com uma cúpula. O interior é forrado a mármore e equipado com seis órgãos do princípio do século XIX, com um repertório exclusivo que não pode ser tocado em mais nenhum local do mundo. O átrio da basílica é decorado por belas esculturas da Escola de Mafra, criada por D. José I em 1754, foram muitos os artistas portugueses e estrangeiros que aí estudaram sob a orientação do escultor italiano Alessandro Giusti. A sala de caça exibe troféus de caça e cabeças de javalis.
O Palácio possui ainda dois carrilhões, mandados fabricar em Antuérpia por D. João V, com um total de 92 sinos que pesam mais de 200 toneladas e são considerados os maiores e melhores do mundo.

Biblioteca do Convento de Mafra


O maior tesouro de Mafra é a sua biblioteca, com chão em mármore, estantes em estilo rococó e uma coleção de mais de 40.000 livros com encadernações em couro gravadas a ouro, incluindo uma segunda edição de Os Lusíadas de Luís de Camões. Situada ao fundo do segundo piso é a estrela do palácio, rivalizando em grandiosidade com a Biblioteca da Abadia de Melk, na Áustria. Construida por Manuel Caetano de Sousa, tem 88 m de comprimento, 9.5 de largura e 13 de altura. O magnífico pavimento é revestido de mármore rosa, cinzento e branco. As estantes de madeira estilo rococó, situadas em duas filas laterais, separadas por um varandim contêm milhares de volumes encadernados em couro, testemunhando a extensão do conhecimento ocidental dos séculos XIV ao XIX. Entre eles muitas jóias bibliográficas, como incunábulos. Estes volumes magníficos foram encadernados na oficina local, também por Manuel Caetano de Sousa.
Actualmente, o único residente do Palácio é um antigo tipógrafo, de nome Gil Mangens. Descendente de uma família de origem francesa, que chegou a Lisboa no século XVIII por altura da construção do Palácio, na pessoa de um gravador de nome Mangens, devotou, à imagem de seu pai e avô
, toda a sua vida ao monumento que o acolhe.

Peter Zumthor - Prémio Pritzker de Arquitectura 2009


O suíço Peter Zumthor, de 65 anos, venceu Prémio Pritzker de Arquitetura de 2009, pela excelência do seu trabalho, ao longo de 30 anos.
Zumthor passa a fazer parte de uma lista que já inclui nomes como Jean Nouvel, Frank Gehry, Zaha Hadid, Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha.

Arquitecto de primeira linha cujo perfil discreto o tem mantido, por sua própria escolha, à margem do star-system da arquitectura internacional, Peter Zumthor é o vencedor do Prémio Pritzker 2009,pela excelência do seu trabalho ao longo de 30 anos de carreira.

Em Los Angeles, o júri enaltece a postura de "humildade e de força" e a "dimensão poética" da sua obra e dos seus escritos, bem expressas na "integridade, alheia a flutuações de gosto e de moda", que lhes tem conferido. Há, na arquitectura de Peter Zumthor, lê-se no documento, um gesto de "respeito para com o espírito dos lugares, a sua matriz cultural e as valiosíssimas lições da História da Arquitectura".

Nascido a 26 de Abril de 1943, em Basileia, na Suíça, onde vive e trabalha longe da agitação dos grandes centros com um pequeno núcleo de projectistas que nunca excede 15 a 20 pessoas, Peter Zumthor aliou, a estudos de arquitectura e design, a prática de intervenção em património,em particular na vertente dos centros históricos, área que acompanhou de perto quando, em finais dos anos 60, trabalhou como consultor no Cantão de Graubunden.

Em 1979 fixou-se em Haldenstein, no coração dos Alpes Suíços, aí instalando o seu pequeno atelier e residência. Casado e pai de três filhos, cedo se distinguiu pela recusa de projectos com os quais não conseguisse identificar-se e pela dedicação exclusiva - que o júri do Pritzker igualmente sublinha - que tem dado a cada trabalho seu. Como o próprio referiu em recente entrevista telefónica ao jornal Chicago Tribune, "pretendo trabalhar com clientes que estejam interessados num bom edifício e não no meu nome".
Criador multipremiado, entre as suas obras mais divulgadas figuram a renovação e ampliação das Termas de Vals (Suíça),Art Museum Kolumba (Colónia, Alemanha), Pavilhão da Suíça para a Expo 2000 (Hannover, Alemanha) e Capela de S. Bento (Sumvitg, Suíça). Tem igualmente obra construída em Espanha, Holanda, Noruega, Finlândia, Inglaterra e EUA.

Peter Zumthor receberá o Prémio Pritzker a 29 de Maio,em Buenos Aires, na Argentina.


in,DN Artes - 12/4/09


15 abril, 2009

Morreu Maurice Druon (1918 - 2009)


Homem de letras, antigo ministro da cultura, autor do "Chant des partisans". Maurice Druan era um dos mais ilustres da Academia Francesa.

Grand-croix de la Légion d’honneur
Commandeur des Arts et des Lettres
Knight Commander du British Empire (K.B.E.)
Grand officier du Mérite de l'ordre souverain de Malte
Dignitaire ou titulaire des Ordres d'Argentine,
de Belgique, du Brésil, de Grèce, d'Italie, du Liban,
du Maroc, du Mexique, de Monaco, du Portugal,
de Russie, du Sénégal, de Tunisie


14 abril, 2009

Cristina Branco no CCB - 18 de Abril

O novo espectáculo de Cristina Branco, uma das vozes maiores da música portuguesa, dá a conhecer o seu novo disco, intitulado KRONOS.

"Kronos" é já o décimo registo discográfico da carreira da cantora, que descobriu o fado no dia em que o avô lhe ofereceu um disco de Amália Rodrigues. Desde então, tem vindo a definir o seu percurso entre a reverência à tradição e a irreverência da inovação, um caminho que recebeu, desde o início, uma extraordinária aclamação a nível internacional.
1. Trago um Fado
2. Eterno Retorno
3. Bomba Relógio
4. Longe do Sul
5. Margarida(Dueto com Jorge Palma)
6. O Meu Calendário
7. Bichinhos Distraídos
8. Tango
9. Eléctrico Amarelo
10. O Rapaz do Trapézio
11. O Sítio
12. Uma Outra Noite
13. Fado do Mal Passado
14. Histórias do Tempo

10 abril, 2009

Júlio Pomar e Joana Vasconcelos inauguram exposição "À la mode de chez nous", em Paris.


Paris, 9 Abr (Lusa) - "À la mode de chez nous" (À moda lá de casa) é a exposição que junta, no Centro Cultural Calouste Gulbenkian de Paris, o trabalho de Júlio Pomar e Joana Vasconcelos em torno da obra de Rafael Bordalo Pinheiro.

09 abril, 2009

Teatro O Bando apresenta «A Noite» em Sines 10 e 11 de Abril

Teatro O Bando apresenta «A Noite» em Sines, no CAS às 21.30H
Espectáculo realizado a partir de textos de Al Berto, com Pedro Gil e a actriz sineense Ana Lúcia Palminha.

"Lulu" de Nuno Rebelo em Paris

Paris, 9 Abr (Lusa) - "Lulu", uma "opereta de circunstância" do compositor português Nuno Rebelo, está em cena no Théatre de la Bastille, depois de ter sido apresentada noutras 12 cidades francesas.
Na autoria da obra, Nuno Rebelo dividiu créditos com o director artístico Mark Tompkins, co-autor da música e autor do libreto.
"Esta opereta de circunstância 'Lulu' surgiu a partir de uma música que fizemos, que agora vem na última cena do último acto. A canção é que acabou por vir dar origem à opereta", disse Nuno Rebelo à agência Lusa.
Segundo o compositor, "'Lulu' , no princípio, era só uma música", feita para a banda Mark Lewis & The Standards.
Para Mark Tompkins, "trabalhar sobre 'Lulu' nos dias de hoje exigiu um reposicionamento mais sobre a questão do desejo, e não tanto sobre a lenda da mulher fatal".
"Como não lhe podíamos chamar ópera, e não lhe podíamos chamar opereta, tive a ideia de lhe chamar 'opereta de circunstância'", explicou.
As fontes deste "teatro musical", indicou ainda, centram-se principalmente na obra de Frank Wedekind e G.W. Pabst, "que servem de referências, de apoio e de inspiração".
"Nunca tínhamos feito nada do género - assinalou ainda Tompkins -. Isto é como que um primeiro passo daquilo que gostaríamos de fazer com uma orquestra ao vivo".
Em Setembro, Nuno Rebelo estará com Mark Tompkins em Montemor-o-Novo para dar o workshop "Audible Movement Visibble Sound".
LYG.
Lusa/fim

08 abril, 2009

Mágoas da Escola de Daniel Pennac


"Misturando recordações autobiográficas e reflexões acerca da pedagogia e das disfunções da instituição escolar, sobre a dor de ser um mau estudante e a sede de aprendizagem, sobre o sentimento de exclusão e o amor ao ensino, Daniel Pennac oferece-nos, com humor e ternura, uma brilhante e saborosa lição de inteligência."

Selecção de títulos para o "Goncourt de la Nouvelle 2009"

A Academia Goncourt reuniu no dia 7 de Abril para escolher os títulos para o "Goncourt de la Nouvelle 2009", que será entregue a 12 de Maio de 2009.

Eis a selecção:










05 abril, 2009

E se Obama fosse africano?


Novo livro de Mia Couto, editado pela Caminho

"Na sequência do anterior Pensatempos, Mia Couto ressurge com um conjunto de textos de intervenção que resulta da sua participação em encontros públicos nos últimos anos. São textos de reflexão crítica de um autor de ficção que, ao mesmo tempo que reinventa o seu universo, não abdica da sua missão de pensar o mundo.As intervenções abordam temas que vão da política à literatura, da cultura à antropologia, mas todos eles confirmam como o escritor moçambicano faz da sensibilidade poética um modo de entender a complexidade do nosso tempo."

02 abril, 2009

O Princípio da Sedução Poesia Reunida - Fernando Manuel Noivo



no Diário Digital, Março 2009

"A segunda edição do livro de poesia «O Princípio da Sedução», primeira obra publicada do autor Fernando Manuel Noivo, iniciou esta quinta-feira a distribuição por 130 livrarias do País. A primeira edição, colocada em exclusivo nas lojas Fnac e na livraria Bertrand, em Maio de 2008, esgotou. O autor de «poemas soltos» que tocam em pessoas, o tempo e lugares materializa, assim, o desafio de derrubar "algumas barreiras" no mercado da produção literária."


na revista literária Os Meus Livros, Julho 2008

Viagem pelo quotidiano e por elementos que o integram, fragmentos de dias e de ideias reunidas numa obra única em que as palavras, o próprio autor o deixa entender, são a essência do todo. Seja elas pequenas ou grandes, pelo prazer de escrever:"(...)

01 abril, 2009

Torre Eiffel - 120 anos

Foto de PACR

A Torre Eiffel, símbolo parisiense, comemora esta terça-feira 120 anos. O monumento foi inaugurado a dia 31 de Março de 1889, para a Exposição Universal de 1889.

Inicialmente tendo como nome Torre de 300 metros, apesar de, na época, ter 312 metros, a estrutura de ferro forjado, concebida pelo engenheiro francês Gustave Eiffel, é um dos monumentos mais visitados do mundo.